Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Governo quer adiar em dois anos entrada em vigor da nova Lei de Enquadramento Orçamental

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 mar (Lusa) - O Governo quer adiar por dois anos a entrada em vigor da Lei de Enquadramento Orçamental (LEO), fazendo com que só o Orçamento do Estado de 2021 respeite as novas regras, disse hoje o secretário de Estado do Orçamento.

Numa audição no parlamento, o secretário de Estado do Orçamento, João Leão, afirmou que "até ao final de abril o Governo vai apresentar uma proposta de Lei que adia por dois anos a entrada em vigor da nova LEO", acrescentando que há aspetos que podem ser introduzidos de forma faseada mais cedo.

Isto significa que a nova LEO só entrará em vigor em setembro de 2020 e, por isso, só o Orçamento do Estado de 2021 vai respeitar as novas regras, disse João Leão à agência Lusa.

Recorde-se que o anterior governo PSD/CDS-PP apontou o arranque da nova LEO para o início de 2017, mas este executivo adiou-o para este ano, para que o Orçamento do Estado de 2019 já contasse com as novas regras.

Além disso, segundo o governante, é expectável que entrem no parlamento, até ao primeiro semestre de 2019, as alterações legislativas cuja revisão é necessária (e complementar à LEO).

Em janeiro, e também no parlamento, o ministro das Finanças, Mário Centeno, já tinha admitido que o adiamento da entrada em vigor em pleno da Lei de Enquadramento Orçamental era "uma inevitabilidade".

Hoje, o secretário de Estado veio admitir que os processos por trás da alteração à LEO são "muito demorados e exigentes" e recordou que estas reformas levaram, noutros países, pelo menos cinco anos.

O deputado do PSD Cristóvão Crespo mostrou-se preocupado com os novos atrasos na implementação da lei e questionou o "empenhamento político" do Governo nesta reforma: "Em 2016 não houve avanços. Existe um ano de vazio", disse.

Também o deputado do CDS João Almeida desvalorizou o impacto que a mudança de governo poderia ter no processo: "É um processo técnico, não político. Esta questão já corria tecnicamente e não houve uma identificação imediata para alargar o prazo".

Nesse sentido, o deputado centrista questionou o secretário sobre se este será o último adiamento e se a Administração Pública tem todas as condições para cumprir os novos prazos.

"Os prazos que vamos apresentar de mais dois anos são exigentes. Pensamos que é exequível, temos confiança", respondeu João Leão, admitindo ainda assim que as questões "mais exigentes" serão as últimas a entrar em vigor, como a orçamentação de programas.

A nova LEO implica, entre outras questões, a implementação da Entidade Contabilística Estado, que se está a mostrar "muito mais exigente" do que o inicialmente previsto, lê-se num ofício do Ministério das Finanças enviado aos deputados e a que a agência Lusa teve acesso.

"De forma a garantir a sustentabilidade de todo o processo de reforma, não será possível transitar integralmente para os novos processos de gestão financeira pública já a partir de 2019", lê-se no documento.

SP // CSJ

Lusa/fim

+ notícias: Política

Governo tem previstas mil ações de preservação da orla costeira entre 2020 e 2030

O Governo tem previstas mil ações de preservação da orla costeira entre 2020 e 2030. A Secretaria de Estado do Ordenamento do Território visitou, na passada segunda-feira, três destas intervenções que se estão a realizar em Vila Nova de Gaia.

Vila Real e Paços de Ferreira: os opostos no que toca a pagar aos fornecedores

A Direção-Geral das Autarquias Locais apresentou um ranking que demonstra que em Portugal cerca de um terço das autarquias demoraram, em 2017, mais de um mês para pagar aos fornecedores. Um dos destaques positivos na região Norte vai para Vila Real, que demora apenas um dia a pagar aos fornecedores, já no lado oposto, está a autarquia de Paços de Ferreira que em 2017 demorava, em média, cerca de dois anos a pagar.

Assunção Cristas preocupada com os cortes previstos para áreas como a agricultura

Assunção Cristas diz que o Governo não está a fazer tudo o que pode para negociar o melhor Orçamento possível da Comissão Europeia. A presidente do CDS-PP, que esteve em Viana do Castelo na pssada segunda-feira, onde decorrem as jornadas parlamentares, mostra-se preocupada com os cortes previstos para áreas como a agricultura.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.