Info

Florida vai pedir pena de morte para atirador da escola de Parkland

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Miami, Estados Unidos, 13 mar (Lusa) -- Os procuradores do ministério público do estado norte-americano da Florida anunciaram hoje que vão pedir a pena de morte para Nikolas Cruz, o adolescente que matou a tiro 17 pessoas há um mês numa escola de Parkland.

Cruz, de 19 anos, comparece na quarta-feira em tribunal para ser formalmente acusado.

São-lhe imputados 17 crimes de homicídio e os seus advogados fizeram saber que ele aceitará declarar-se culpado em troca da garantia de que não será executado.

Uma negociação da pena mantém-se teoricamente possível apesar do anúncio hoje feito pelos procuradores.

A data do julgamento de Cruz, condicionada ao facto de ele ser declarado suficientemente "são de espírito" para ser julgado, ainda não foi marcada.

Michael Satz, procurador do condado de Broward, declarou-se convicto de que a acusação demonstrará que os homicídios de Cruz foram "particularmente odiosos, atrozes e cruéis".

O rapaz, antigo aluno da escola que atacou com a sua espingarda automática, foi detido pouco depois do tiroteio que vitimou 14 alunos e três professores, e que não tentou negar.

Exatamente um mês após os homicídios, dezenas de milhares de estudantes norte-americanos vão na quarta-feira sair das respetivas salas de aula durante 17 minutos, em memória das vítimas -- um ato que pretende também ser um apelo ao Congresso para que aja contra a proliferação das armas de fogo.

ANC // ANP.

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Ministro da Defesa de Israel odena reabertura de entradas para Gaza

O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, ordenou este domingo a reabertura das entradas de Gaza para pessoas e bens quatro dias depois de terem sido encerradas em resposta a um disparo de morteiro que atingiu o território.

Passaporte português é plano de fuga para brasileiros após eleições

Procurar por um passaporte português passou a ser um plano alternativo, nas últimas semanas, para brasileiros que, receando o aumento da violência após as eleições presidenciais de 28 de outubro, equacionam deixar o país.

Donald Trump volta a defender separação de famílias na fronteira com o México

O Presidente norte-americano, Donald Trump, voltou a defender este sábado a separação de famílias de imigrantes na fronteira com o México, encorajando todos os que "sentem" que vão ser separados a não entrarem no território.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.