Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Cinco funcionários da Segurança Social acusados em processo de corrupção

Cinco funcionários da Segurança Social acusados em processo de corrupção
| País
Porto Canal com Lusa

O Ministério Público (MP) acusou 23 arguidos, incluindo cinco funcionários da Segurança Social, num processo de corrupção relacionado com a atribuição do número da segurança social a cidadãos oriundos sobretudo da Índia, Paquistão e Bangladesh.

Na página da internet, a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL) adianta que o MP requereu o julgamento, em tribunal coletivo, dos 23 arguidos pelos crimes de corrupção passiva agravada, corrupção ativa, abuso de poder, acesso ilegítimo, falsidade informática e detenção de arma proibida.

Segundo a PGDL, "está suficientemente indiciado" que os cinco funcionários da Segurança Social dedicaram-se, entre janeiro de 2015 até 27 de junho de 2017, a criar números de identificação da Segurança Social (NISS) para cidadãos estrangeiros, sobretudo oriundos de países indostânicos, ou seja, países como Índia, Paquistão e Bangladesh, a troco do pagamento de quantias monetárias.

Para o efeito, refere o MP, angariaram intermediários que estabeleciam o contacto entre os estrangeiros que precisavam de NISS para a sua legalização e os funcionários da Segurança Social, auferindo também tais intermediários das vantagens económicas.

A PGDL indica também que pelo menos um dos funcionários cedia informação sobre contribuintes a um escritório de solicitadoria, a troco de pagamento de quantias em dinheiro.

A PGDL sublinha que foi requerida a perda do produto do crime num valor superior a um milhão de euros.

Cinco dos 23 arguidos encontram-se sujeitos às medidas de coação de suspensão do exercício de funções, proibição de se ausentar do país, obrigação de se apresentarem no posto policial mais próximo da residência e proibição de contactos com os restantes arguidos.

O inquérito foi dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, com a coadjuvação da Polícia Judiciária.

+ notícias: País

Um ano depois, serração de Castanheira de Pêra funciona a 100%

Um ano depois da tragédia em Pedrógão Grande, a serração de Castanheira de Pêra, onde arderam máquinas, matéria-prima e 30 postos de trabalho ficaram em risco, trabalha atualmente a 100%, mas o futuro é incerto.

Presidente da República diz que voluntariado foi essencial após incêndio em Pedrógão Grande

O Presidente da República (PR) enalteceu na noite de sábado a ação da organização não-governamental Médicos do Mundo (MdM) em Castanheira de Pera e argumentou que o voluntariado foi essencial para fazer face às consequências do incêndio de 2017.

Fenprof divulga estudo crítico sobre flexibilidade curricular

A voz dos professores está “completamente ausente” do projeto de autonomia e flexibilidade curricular (PAFC), que este ano começou em algumas escolas, concluiu um estudo da Fenprof divulgado este sábado.

Atualizado 17-06-2018 11:22

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.