Info

Penas de 16 meses a 10 anos e meio para arguidos acusados de tráfico de pessoas

| País
Porto Canal com Lusa

Santarém, 13 mar (Lusa) -- O Tribunal de Santarém condenou hoje a prisão efetiva cinco dos arguidos do processo por tráfico de pessoas para exploração laboral em penas que variam entre os cinco anos e três meses e os 10 anos e seis meses.

Aos dois arguidos estrangeiros, o cidadão israelita Aharon Rony Bargig, condenado a 10 anos de prisão, e o nepalês Sharad Gurunq, condenado a cinco anos e três meses, o tribunal determinou ainda a expulsão do país por oito e cinco anos, respetivamente.

No caso dos arguidos que detinham ou trabalhavam na exploração agrícola Agrowork, em Almeirim (no distrito de Santarém), onde a Unidade Nacional Contra o Terrorismo da Polícia Judiciária realizou uma operação no final de julho de 2015 que deu origem ao processo, Fernando Batista teve a pena mais pesada, 10 anos e seis meses de prisão.

No caso deste arguido, a juíza Raquel Matos Rolo, presidente do coletivo, considerou que a agressão e ameaças sobre o trabalhador Subrat Rimal, que se encontrava doente, se enquadra no âmbito da exploração, deplorando o tratamento desta pessoa "como se de um objeto se tratasse".

Ao seu irmão, Jaime Baptista, foi aplicada a pena de nove anos de prisão, enquanto à sua mulher, Ana, e à ex-cunhada, Vera, foi aplicada uma pena de cinco anos de prisão suspensa por igual período, sujeita a um plano social, por entender o tribunal que "participaram na sombra" dos seus companheiros com consciência dos seus atos.

O Tribunal condenou ainda Marcelo Machado de Araújo a cinco anos e seis meses de prisão pelo "grau de ilicitude da sua conduta".

A juíza frisou a "forma inteligente" como este arguido usou os conhecimentos e as informações de que dispunha, nomeadamente junto do Instituto do Emprego, para "maximizar os seus proveitos económicos", demonstrando uma "atuação minuciosa" e grande "capacidade argumentativa".

O funcionário João Alexandre, que, juntamente com Fernando Baptista, foi condenado por falsificação de documentos, foi aplicada a pena de 16 meses de prisão, igualmente suspensa e sujeita a um plano social.

Para várias das empresas visadas, incluindo a Agrowork, foi determinada a dissolução, tendo o coletivo ordenado ainda o pagamento de uma indemnização no valor de 15.000 euros a Subrat Rimal, valor considerado "irrisório" pela juíza, para quem aquela vítima "merecia muito mais" dados os danos sofridos.

Para o outro trabalhador que se constituiu como assistente, Wakas Malik, o pedido de indemnização foi indeferido, tendo em conta que o mesmo depôs durante o julgamento desdizendo acusações anteriores.

Os advogados de defesa dos arguidos afirmaram não se conformar com a decisão, pedindo o alargamento do prazo para apresentação de recurso, pelo que as penas ficam suspensas e os arguidos sujeitos a medidas de coação, que, no caso de Fernando e Jaime Baptista, serão fixadas no próximo dia 21.

A juíza deplorou a forma "ultrajante" como foram tratadas as 11 vítimas identificadas neste processo e disse ser "vergonhosa" a ocorrência de situações destas em Portugal.

MLL // MCL

Lusa/fim

+ notícias: País

Costa portuguesa sob aviso laranja devido à agitação marítima

Toda a costa de Portugal continental está hoje sob aviso amarelo devido à previsão de agitação marítima forte, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Legião da Boa Vontade entrega 800 cabazes de natal em todo o país

A Legião da Boa Vontade vai entregar em todo o país 800 cabazes de natal. Hoje cem famílias carenciadas de braga receberem alimentos e brinquedos.

Em 2018 morreram 37 trabalhadores no sector da construção civil

Este ano morreram 37 trabalhadores no sector da construção civil. As contas são do Sindicato da Construção de Portugal, que admite que em 2019 possam vir a morrer mais trabalhadores, devido ao aumento do trabalho clandestino.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.