Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Museu de L'Orangerie de Paris vai expor "Contos cruéis de Paula Rego"

| País
Porto Canal com Lusa

Paris, 13 mar (Lusa) - O Musée de L'Orangerie, em Paris, vai expor "Contos cruéis de Paula Rego", de 17 de outubro a 14 de janeiro, para mostrar uma obra que "não é suficientemente conhecida" em França, de acordo com a diretora do museu.

A mostra vai reunir cerca de 70 pinturas, desenhos e até bonecos que a pintora usa no seu atelier, em Londres, num percurso temático e cronológico que insiste no período "entre finais dos anos 90 até hoje", explicou à Lusa a diretora do Musée de L'Orangerie e comissária da exposição, Cécile Debray.

"Aqui, ela é muito menos conhecida que em Londres ou em Portugal. Foi mostrada em Paris numa exposição da Fundação Gulbenkian [2012], mas creio que não é suficientemente conhecida. Penso que tem uma pintura bastante apelativa que deverá agradar", disse à Lusa a comissária.

Cécile Debray escolheu como título da mostra "Les contes cruels de Paula Rego" ("Os contos cruéis de Paula Rego"), em alusão à obra literária de um simbolista francês do final do século XIX, Auguste de Villiers de L'Isle-Adam, e ao universo formal e temático da pintora, que é "bastante ilustrativo e muito ligado à literatura e a uma forma de cultura do século XIX".

"É o universo da infância que é, por um lado, encantador e fantástico e, por outro, tem uma forma de crueldade que é também da infância. Paula Rego tem este lado ingénuo e um olhar muito mordaz e cruel. É este o realismo de Paula Rego, um jogo entre o olhar muito franco e sem concessões e, ao mesmo tempo, uma forma de poesia fantástica", descreveu a comissária da exposição.

Cécile Debray conheceu Paula Rego quando comissariou uma exposição de Lucian Freud no Centro Pompidou, em Paris, em 2010, e quis agora dar-lhe o destaque num museu que quer "programar artistas vivos, nomeadamente os que trabalham a figuração, porque são figuras singulares".

A comissária concebeu a mostra "como um percurso pela obra de Paula Rego, sem ser uma retrospetiva", e "como o Musée de l'Orangerie está ligado ao Museu d'Orsay, a ideia foi fazer uma exposição sobre a sua obra com ecos de obras que ela viu".

Na mostra, vai haver telas de grande formato a representar as suas "mulheres-crianças-animais", obras gráficas em diálogo com desenhos e gravuras de Daumier, Goya, Degas, Rabier, e obras em pastel, apresentadas com os bonecos que lhe servem de modelo.

"Como a exposição se chama 'Os contos cruéis de Paula Rego', escolhi como ângulo a infância. Portanto, avançamos na obra de Paula Rego com alguns contrapontos, como gravuras de Daumier, Goya, Rabier, Manet, ilustrações dos 'Contos de Grimm', por [David] Hockney, uma escultura de Ron Mueck e pastéis de Degas", precisou, destacando que "o lugar de honra é para a obra de Paula Rego", ainda que haja alguns "diálogos" com trabalhos de outros artistas.

A diretora do Musée de l'Orangerie acrescentou que Paula Rego é "uma artista que tem um universo muito particular, político, com uma ligação à literatura e com uma forma de realismo muito rude e muito poderosa", cultivando uma "força e a independência em relação às modas", e mantendo um lado contemporâneo com a criação dos seus modelos a partir de bonecos.

"Este universo de bonecas, de acessórios, de pequenos cenários quase teatrais é um aspeto extremamente contemporâneo e pouco conhecido. É um laço quase demiúrgico em que ela cria as suas criaturas para depois as representar. Ela mistura o vivo com o artifício e isso é muito interessante", afirmou.

Cécile Debray declarou, também, que vai ser editado um catálogo da exposição com historiadores de arte, franceses, porque quis "dar uma cor mais francesa à abordagem".

A exposição deverá, ainda, ser acompanhada por um ciclo de conferências relacionado com a obra da artista portuguesa, uma jornada de estudo sobre a pintura figurativa, "talvez uma programação de dança e música", e "algo sobre o cinema português, porque ela tem pontos comuns com alguns realizadores portugueses, como Manoel de Oliveira".

Em 2012, a delegação francesa da Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris, apresentou a primeira exposição "representativa" da obra da pintora Paula Rego, em França, com trabalhos desenvolvidos entre 1988 e 2009, de "A família" à "Mulher cão".

Desde 28 de fevereiro e até 27 de agosto, cinco obras de Paula Rego figuram na exposição coletiva "All Too Human - Bacon, Freud and a Century of Painting Life", no museu Tate Britain, em Londres.

A exposição reúne cerca de cem obras de 22 pintores, entre os quais alguns dos mais célebres artistas britânicos modernos, com destaque para Lucian Freud e Francis Bacon, mas também Walter Sickert, Stanley Spencer, Michael Andrews, Frank Auerbach, Francis Newton Souza ou Leon Kossoff.

Paula Rego vive e trabalha em Londres, para onde se mudou com 17 anos, para estudar na Slade School of Fine Art.

Em 2004, foi condecorada com a Grã-Cruz da Ordem de Sant'Iago da Espada. Em 2010 foi distinguida pela rainha Isabel II com o grau de Oficial da Ordem do Império Britânico, pela sua contribuição para as artes.

CAYB (BM) // MAG

Lusa/fim

+ notícias: País

Motociclista morre em despiste na cidade das Caldas da Rainha

Um homem de 36 anos morreu este domingo num acidente de motociclo na cidade de Caldas da Rainha, no distrito de Leiria, disse fonte dos Bombeiros Voluntários de Caldas da Rainha.

Incêndio na zona de Badajoz que mobilizou meios portugueses está extinto

O incêndio rural de grandes dimensões que lavrou este sábado na zona de Badajoz (Espanha) e que mobilizou meios portugueses, foi considerado extinto cerca das 15:00, disse à agência Lusa fonte da Proteção Civil.

Ordem dos Médicos averigua acesso indevido a dados de doentes no Hospital do Barreiro

A Ordem dos Médicos vai averiguar a alegada criação de falsos perfis médicos no Centro Hospitalar Barreiro Montijo que permite que profissionais não médicos acedam a processos clínicos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.