Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Disco inédito de David Mourão-Ferreira abre nova coleção de CD "Dizem os Poetas"

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 mar (Lusa) -- Um disco inédito de David Mourão-Ferreira inaugura, no próximo dia 21, Dia Mundial da Poesia, uma coleção de CD, que revisita e renova a série discográfica editada no século XX, em que os poetas liam os seus poemas.

Esta nova coleção recupera a série "Diz Poemas da Sua Autoria", que foi editada entre 1959 e 1975, pela discográfica Valentim de Carvalho, que publicou David Mourão-Ferreira, Alexandre O'Neill, António Gedeão, Sophia de Mello Breyner Andresen, Jorge de Sena e Natália Correia, entre outros poetas.

"Há duas ideias base: uma é seguir o espírito original da coleção, que é os poetas escolherem os seus poemas, o que é sempre interessante pois é o próprio poeta a fazer uma antologia da sua poesia, e dizia os poemas - e nós estamos a recuperar esses poemas e a sua obra", explicou à agência Lusa Rui Portulez.

"E [estamos também] a atualizar [a coleção] com uma série de pessoas a quem chamamos 'dizedores' - porque não gostamos do termo declamadores -, e que dizem esses mesmos poemas", prosseguiu Rui Portulez, um dos 'dizedores'. "E vamos lançar dois poetas novos, dando continuação, de cerca forma, ao espírito inicial".

Estão previstos oito CD, saindo um por mês até ao final do ano, excetuando agosto, e os novos poetas escolhidos são Golgona Anghel e Nuno Moura.

Cada CD, inclui a gravação original e a leitura dos mesmos poemas por vozes atuais, "isto é, cada poema vai ter duas versões de leitura", sendo ainda acompanhado por um 'booklet' que inclui todos os poemas selecionados. Cada álbum reproduz ainda, em 'fac-smile', a capa original, sendo o design da coleção "...Dizem os Poetas", de autoria de Maria Mónica.

A escolha das novas vozes, para dizerem os poemas, recaiu sobre Ana Brandão, atriz e cantora, Carla Bolito, atriz, Miguel Loureiro, 'performer', que escreveu e encenou o espetáculo "Paris>Sarah>Lisboa", Rui Spranger, ator e encenador, Susana Menezes, que coordena o Programa para Crianças e Jovens do Teatro Maria Matos, Isabel Abreu, atriz, Pedro Lamares, ator, e Rui Portulez, locutor de rádio e crítico musical.

O CD de David Mourão-Ferreira (1927-1996), que abre esta coleção, recupera o EP (Extended Play) "Diz Poemas da Sua Autoria", de 1959, e inclui um disco inédito, produzido em 1973, que terá sido gravado para edição na coleção "A Voz e o Texto", esclareceu Rui Portulez.

Na opinião de Portulez esta coleção vai ao encontro "de um movimento e de uma poética muito interessante, às quais assistimos nos últimos anos, e tem havido cada vez mais uma necessidade, de se dizer poesia em voz alta e em público".

O responsável referiu iniciativas regulares, que têm surgido, por iniciativa própria de diferentes grupos, que promovem reuniões e encontros de poesia, tanto em Lisboa como no Porto, e noutras cidades.

Ao CD de David Mourão-Ferreira suceder-se-ão, ao ritmo de um por mês, "Alexandre O'Neill, António Gedeão, Mário Cesariny, com [a atriz] Graça Lobo, Sophia de Mello Breyner Andresen e Jorge de Sena, Natália Correia e Ary dos Santos, e dois autores vivos, Golgona Anghel", que escreveu, entre outros, de "Como uma flor de plástico na montra de um talho" (2013), e Nuno Moura, que escolheu ler todo o seu livro "Canto Nono" (2016), que será reeditado através do 'booklet', pois a edição encontra-se esgotada.

A sessão de apresentação da coleção e, simultaneamente, do CD de David Mourão-Ferreira, está agendada para o próximo dia 21, Dia Mundial da Poesia, às 18:00, na FNAC Chiado, em Lisboa, moderada pela editora livreira Ana Maria Pereirinha.

NL // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Trabalhadores do Infarmed voltam a rejeitar deslocalização para o Porto

A quase totalidade dos trabalhadores do Infarmed discorda da deslocalização da Autoridade do Medicamento de Lisboa para o Porto e apenas sete por cento estaria disponível para se mudar, segundo dados de um inquérito realizado hoje.

Ordem dos Médicos diz que relatório mostra que parceiros têm razão sobre lacunas na saúde

O bastonário da Ordem dos Médicos considera que o Relatório de Primavera 2018, que aponta diversas lacunas ao nível da saúde, veio apenas demonstrar o que tem sido referido pelos parceiros do setor sobre a falta de investimento no setor.

Atualizado 19-06-2018 15:11

Hospitais públicos estão endividados e "à beira de um ataque de nervos"

Os hospitais públicos estão endividados e "à beira de um ataque de nervos", mostrando que a crise económica continua no setor hospitalar, segundo o relatório do Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.