Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

CDS/Congresso: Trabalhos terminaram às 03h50 ao fim de 17 horas de discursos e votações

CDS/Congresso: Trabalhos terminaram às 03h50 ao fim de 17 horas de discursos e votações
| Política
Porto Canal com Lusa

Os trabalhos do primeiro dia do 27.º Congresso do CDS-PP, que decorre em Lamego, terminaram este domingo às 03h50, depois de quase 17 horas ininterruptas de discursos e votações.

O arranque do Congresso aconteceu às 10h59 de sábado e ficou marcado por uma homenagem ao antigo presidente do CDS Adriano Moreira, enquadrada pela apresentação do Senado, o órgão de consulta centrista, que desde 2007 não funcionava.

Depois foram apresentadas as moções de estratégia global, entre as quais a da líder do partido, Assunção Cristas, e as moções de estratégia setorial, seguindo-se a discussão dos documentos.

Já depois da meia-noite, o Congresso chumbou um requerimento que propunha que às 01h00 se passasse à votação das moções de estratégia global e se encerrassem os trabalhos, impedindo os oradores ainda inscritos de falarem.

"Estão mais do que 800 pessoas na sala, não foi aprovado. Nesse caso, a mesa com gosto continua o debate", afirmou o presidente da mesa do Congresso, Luís Queiró.

Antes do encerramento do primeiro dia de trabalhos, que decorreu em contínuo, sem pausas para refeições, a moção da presidente do CDS-PP foi aprovada.

+ notícias: Política

Marcelo Rebelo de Sousa deixa hospital de Braga e cancela agenda do fim de semana

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já deixou o hospital de Braga onde foi observado depois de se ter sentido mal ao final da manhã, tendo o próprio explicado aos jornalistas que teve uma gastroenterite aguda e anunciado o cancelamento da restante agenda para o fim de semana.

Jerónimo de Sousa diz que não “assina de cruz” o Orçamento do Estado para 2019

O secretário-geral do PCP afirmou, na sexta-feira ao fim da noite, que não irá "assinar de cruz" o Orçamento do Estado (OE) para 2019 e lembrou que não se pode pronunciar sobre algo que ainda não existe.

Rui Rio diz que não fala de "questões internas" do PSD em circunstância alguma

O presidente do PSD salientou esta sexta-feira que não fala sobre “questões internas” do partido “em circunstância nenhuma”, quando questionado sobre se houve falta de concertação entre a bancada e a direção na aprovação do projeto do CDS-PP sobre combustíveis.

Atualizado 23-06-2018 11:58

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.