Info

António Costa pede limpeza das florestas para que 2017 não se repita

| Política
Porto Canal com Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou este sábado, em Caminha, que o trabalho de limpeza das florestas "é essencial" para prevenir os incêndios e pediu a colaboração de todos para Portugal "não voltar a ter um verão como o de 2017".

Atualizado 18-02-2018 12:43

"O trabalho de limpeza é essencial, porque para haver fogo é necessário haver matéria combustível", disse António Costa.

Falando depois de uma viagem de duas horas pela floresta de Caminha, para se inteirar do trabalho de prevenção que está a ser feito, Costa lembrou que a defesa das matas é obrigatória por lei desde 2006, mas sublinhou que o objetivo do Governo "não é aplicar multas".

"O objetivo não é aplicar multas nem cortar verbas, mas sim cortar o mato para que não seja uma ameaça à floresta, às populações, às casas e às pessoas", enfatizou.

Como apelo ao envolvimento de todos no trabalho de prevenção, Costa sugeriu que em março, em vez da plantação de árvores para assinalar os dias do ambiente e da árvore, aconteça uma grande ação de limpeza.

"Façamos um grande mês de limpeza da floresta", apelou.

+ notícias: Política

Hospitais privados desconhecem parecer da PGR e contestam devolução de 38M à ADSE

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) diz desconhecer o parecer da PGR favorável à devolução de 38 milhões ao sistema de saúde da função pública (ADSE), contestam esta posição e vão convocar com urgência uma Assembleia Geral.

Governo quer rever condições de acesso ao ensino doméstico

Uma proposta de portaria pretende apertar as regras de frequência para inscrições no ensino doméstico. O número de alunos nesta situação tem vindo a aumentar mas agora o Governo quer rever as condições de acesso.

Governo aprova projetos de expansão dos metros de Porto e Lisboa

O Conselho de Ministros aprovou hoje os projetos de expansão dos metros de Lisboa e do Porto, que em conjunto representam um investimento de 517 milhões de euros, 190 milhões dos quais comparticipados com fundos europeus, segundo o Governo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.