Info

PSD confronta PM com despacho que permite 850 horas extraordinárias em debate tenso

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 fev (Lusa) -- O líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, desafiou hoje o primeiro-ministro a explicar um despacho do seu Governo, segundo o qual os trabalhadores do Porto de Lisboa podem fazer até 850 horas extraordinárias por ano.

Na resposta, o primeiro-ministro disse desconhecer o despacho, mas que, se era da autoria dos ministros do Mar e do Trabalho, "estaria com certeza bem".

O despacho tem data de 12 de julho de 2017, assinado pela ministra Ana Paula Vitorino e pelo ministro Vieira da Silva, e refere um regime excecional do trabalho suplementar para o porto de Lisboa, segundo o qual "a duração anual do trabalho suplementar por trabalhador não poderá exceder as 850 horas".

A questão foi colocada por Hugo Soares a propósito da situação da Autoeuropa, tendo o líder parlamentar do PSD perguntado por várias vezes a António Costa se considerava existirem "limites morais e éticos" ao trabalho extraordinário, sem ter resposta a esta pergunta por parte do primeiro-ministro.

Já sobre a fábrica de Palmela, Costa sublinhou a sua importância económica e manifestou o desejo de que "o diálogo social reencontre o sucesso" que caracterizou a empresa por várias décadas.

"A pior coisa que podemos fazer, se queremos que haja sucesso, é procurar confundir o debate e diálogo entre as partes com combate político ou partidário", apelou.

O debate quinzenal entre o primeiro-ministro e o líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, atingiu hoje um tom mais duro do que o habitual, apesar de António Costa até ter saudado o hoje ausente Pedro Passos Coelho.

No início do debate com Hugo Soares, António Costa fez questão de se referir ao ainda presidente do PSD, que dará lugar a Rui Rio no Congresso do próximo fim de semana.

"Apesar da sua ausência, não queria deixar publicamente de o saudar, temos estado quase sempre em divergência, mas não quero deixar de o saudar pela forma dedicada como procurou servir o país segundo aquela que era a sua leitura", afirmou António Costa.

Já quanto a Hugo Soares, cujo futuro na liderança parlamentar ainda é incerto, o primeiro-ministro disse acreditar "não ser ainda a altura" de despedidas.

Na resposta, Hugo Soares fez questão de responder ao que chamou de "provocação".

"Eu para fazer estes debates consigo bastou-me ter os votos da bancada atrás de mim, o senhor para fazer estes debates comigo teve de juntar os votos de outros", disse.

SMA // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Catarina Martins enaltece passes mais baratos e pede mais transportes

A coordenadora do BE, Catarina Martins, elogiou este domingo a medida orçamental negociada com o Governo para a descida do preço dos passes de transportes públicos, mas defendeu que deve ser acompanhada de mais investimento para haver mais meios disponíveis.

Assunção Cristas lamenta desinteresse de Costa por setor da saúde "em rutura"

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, lamentou este sábado e o desinteresse do chefe do Governo pelo setor da saúde, descrevendo-o como "em rutura" devido à "austeridade escondida", numa conferência sobre o tema organizada pelo partido na sede de Lisboa.

Governo identifica quase duas centenas de pedreiras em situação crítica

O Governo identificou em 13% das pedreiras que dependem do Estado central, ou seja, 191 casos, "situações críticas", de acordo com o primeiro levantamento exaustivo das maiores pedreiras existentes em Portugal continental, a que o Expresso teve acesso.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.