Info

Parlamento aprova audição do chefe do Estado-Maior das Forças Armadas sobre falta de efetivos

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 fev (Lusa) -- A comissão parlamentar de Defesa aprovou hoje um requerimento do CDS-PP para ouvir o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas e o ministro da Defesa para que esclareçam as necessidades de efetivos nas Forças Armadas.

O requerimento do CDS-PP foi apresentado na sequência de uma notícia do Expresso, no passado dia 03, dando conta de um memorando subscrito pelo general Pina Monteiro, pelos chefes do Exército, Força Aérea e pelo vice-chefe do Estado-Maior da Armada.

Segundo noticiou o jornal, os chefes militares consideraram insuficiente o teto máximo de mais 200 militares a juntar ao efetivo autorizado para 2018, face às missões que têm de cumprir.

A comissão parlamentar vai propor que a audição do CEMGFA se realize na próxima semana, já que o general Pina Monteiro termina o mandato a 28 de fevereiro e é substituído no cargo no dia 01 de março.

Na reunião, o deputado do CDS-PP João Rebelo sublinhou que no final de 2017 o número de efetivos era de 28 mil, inferior ao previsto na reforma da Defesa 2020, de 30 a 32 mil e que, no primeiro ano a seguir ao fim do Serviço Militar Obrigatório, 2005, o total de efetivos atingia os 38 mil.

O deputado considerou que a falta de efetivos suscita preocupação, sublinhando que as Forças Armadas têm de cumprir as suas missões correntes, as missões internacionais e terão ainda de reforçar a missão de apoio ao combate aos incêndios.

Pelo PSD, o deputado Bruno Vitorino defendeu que a disponibilidade de Portugal para assumir mais missões implica "maior necessidade de recursos humanos" e lembrou o furto de armas e munições ocorrido a 28 de junho em Tancos.

"Tivemos o problema de Tancos e foi aqui dito que a questão principal são as rondas e os efetivos. É uma componente relevante para a segurança das instalações e o que é facto é que há uma redução efetiva de ano para ano", disse Bruno Vitorino.

Pelo PS, o deputado Diogo Leão considerou que as preocupações dos chefes militares se enquadram no "âmbito da relação institucional" com o poder político, e destacou o comunicado divulgado pelo EMGFA na sequência da notícia do Expresso, segundo o qual, sublinhou, "o cumprimento das missões não está minimamente em causa".

Nesse comunicado, os chefes militares afirmam que o cumprimento das missões das Forças Armadas "não esteve, não está, nem estará em causa" e afirmam que o relacionamento institucional com o Governo e designadamente com o ministro da Defesa Nacional tem sido, e continuará a ser, caracterizado pela "correção, respeito, frontalidade e lealdade".

SF // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Catarina Martins enaltece passes mais baratos e pede mais transportes

A coordenadora do BE, Catarina Martins, elogiou este domingo a medida orçamental negociada com o Governo para a descida do preço dos passes de transportes públicos, mas defendeu que deve ser acompanhada de mais investimento para haver mais meios disponíveis.

Assunção Cristas lamenta desinteresse de Costa por setor da saúde "em rutura"

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, lamentou este sábado e o desinteresse do chefe do Governo pelo setor da saúde, descrevendo-o como "em rutura" devido à "austeridade escondida", numa conferência sobre o tema organizada pelo partido na sede de Lisboa.

Governo identifica quase duas centenas de pedreiras em situação crítica

O Governo identificou em 13% das pedreiras que dependem do Estado central, ou seja, 191 casos, "situações críticas", de acordo com o primeiro levantamento exaustivo das maiores pedreiras existentes em Portugal continental, a que o Expresso teve acesso.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.