Info

Atual e anterior ministro da Defesa chamados ao parlamento para esclarecer contratos de navios

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 fev (Lusa) -- O parlamento vai chamar o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, e o seu antecessor, Aguiar-Branco, para que prestem esclarecimentos sobre o processo de infração instaurado a Portugal pela Comissão Europeia relativo à construção de navios militares.

Os requerimentos foram aprovados hoje por unanimidade na reunião da comissão parlamentar de Defesa Nacional. O BE tinha solicitado a audição do anterior ministro da Defesa José Pedro Aguiar-Branco e o PSD decidiu chamar o atual ministro, José Azeredo Lopes.

A Comissão Europeia instaurou um processo de infração a Portugal por "não aplicação ou aplicação incorreta, da legislação da União Europeia em matéria de contratos públicos nos mercados da Defesa e Segurança".

Contactado pela Lusa, o ministério da Defesa confirmou que o procedimento "diz respeito ao contrato de ajuste direto com a West Sea S.A. [Viana do Castelo] de dois navios patrulha oceânicos (NPO) pelo anterior governo" -- navios "Sines" e "Setúbal", atualmente em construção.

Na reunião de hoje, o deputado do BE João Vasconcelos disse que o objetivo da audição ao anterior ministro é "que a situação fique devidamente esclarecida", argumentando que, ainda que o Tribunal de Contas tenha dado visto prévio favorável aos contratos, o certo é que a Comissão Europeia considerou que "violaram a lei comunitária".

Sobre a opção dos governos por ajustes diretos e não por concurso público internacional neste tipo de contratos, o deputado do CDS-PP João Rebelo sublinhou que outros Estados-membros da União Europeia fazem o mesmo por considerarem que são contratos estratégicos e de interesse nacional.

"Está-se a criticar algo que é bem feito. Estes navios [para a Marinha portuguesa] devem ser fabricados em Portugal. O Estado tem os planos, toda a gente vê como positivo a construção desses navios em Portugal", frisou.

Pelo PSD, o deputado Bruno Vitorino rejeitou "levantar dúvidas de transparência por antecipação" e defendeu que cabe ao atual ministro da Defesa, em primeiro lugar, prestar a informação sobre o caso ao parlamento.

O deputado lembrou que outros contratos significativos no setor da Defesa foram adjudicados por ajuste direto e que estão previstos investimentos militares futuros através do mesmo meio.

"Os procedimentos por infração são abertos contra os Estados-membros, assim é o governo que tem a informação", justificou Bruno Vitorino.

Pelo PS, o deputado Diogo Leão manifestou-se favorável às duas audições "para informação" à comissão parlamentar.

A Comissão Europeia refere que está em causa a adjudicação direta "de um certo número de contratos no setor da defesa a fornecedores nacionais, em violação da diretiva sobre contratos públicos no setor da defesa".

"Esta diretiva obriga as autoridades adjudicantes - salvo exceções rigorosamente definidas -- a adjudicar os contratos seguindo um dos procedimentos previstos" na legislação comunitária (diretiva de 2009) "e a dar a conhecer as suas intenções através da publicação de um anúncio de concurso na base de dados TED («Taxes in Europe» Database), recorda Bruxelas.

SF // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Tancos: Ministério da Defesa investiga procedimento da PJ Militar

O Ministério da Defesa determinou a 04 de outubro a realização de uma “auditoria extraordinária aos procedimentos internos” da Polícia Judiciária Militar (PJM), na sequência da recuperação do material militar roubado dos paióis de Tancos no ano passado.

Câmara de Vila Real lança segunda-feira campanha sobre perigo na A24

A Câmara de Vila Real disse que vai colocar painéis nas entradas da Autoestrada 24 (A24) para alertar os automobilistas para os “perigos e falhas” da via, uma iniciativa apoiada pela Comunidade Intermunicipal do Douro (CIM Douro).

Tancos: Presidente da República garante desconhecer factos sobre reaparecimento das armas

O Presidente da República garantiu este sábado à Agência Lusa desconhecer os factos na base do desaparecimento e reaparecimento das armas de Tancos, recordando que tem insistido na exigência do esclarecimento de "toda a verdade, doa a quem doer".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.