Info

Regulador espanhol pode impor multa até 1ME a ex-presidente do banco Popular

| Economia
Porto Canal com Lusa

Madrid, 12 fev (Lusa) - O regulador espanhol do mercado de valores mobiliarios (CNMV) pode multar até um milhão de euros o ex-presidente do Banco Popular Ángel Ron, caso considere que este cometeu uma falha "muito grave" ao, alegadamente, ter ocultado indemnizações através de pensões.

Segundo a agência de notícias espanhola Efe, a lei espanhola do mercado de valores prevê multas de 600 mil euros nos casos de infrações "muito graves", às quais se podem somar mais 400 mil euros quando isso acontece no exercício de um cargo de administração.

A mesma sorte podem ter outros membros da antiga administração do banco, já que segundo avançou hoje o jornal espanhol 'El Mundo', a Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) prepara sanções para quem terá ocultado informação sobre indemnizações nos relatórios de contas (escondendo-as nas pensões).

Caso o regulador classifique estas irregularidades apenas como "graves", as sanções teriam montantes inferiores, de 300 mil euros, mais 250 mil euros dados os cargos ocupados.

De acordo com a Efe, os especialistas consideram prematuro avançar com o valor das sanções que a CNMV poderá exigir, considerando que os montantes até podem ser superiores ou que podem ser impostos ao Banco Popular, se se concluir que estas irregularidades foram consensualizadas.

SP// ATR

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Preço das casas sobe 4,3% na zona euro no 3.º trimestre e em Portugal quase o dobro

O preço homólogo das casas aumentou 4,3% tanto na zona euro quanto na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018, com Portugal a registar uma subida de quase o dobro da média (8,5%), segundo o Eurostat.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.