Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Passos recusa falar sobre futuro do PSD e diz que não é comentador

| Política
Porto Canal com Lusa

Coimbra, 12 fev (Lusa) - O ainda presidente do PSD recusou hoje falar sobre o futuro do partido e a nova liderança de Rui Rio, alegando que não é comentador e criticou a "gente tonta" que faz considerações sobre tudo o que pensa.

Questionado hoje por um aluno da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC), no período de debate de uma conferência sobre o Orçamento do Estado de 2018, sobre a proximidade de Rui Rio à esquerda e o futuro do PSD na oposição ao Governo socialista, Passos Coelho deixou sem resposta a plateia de cerca de 300 alunos universitários.

"Não é porque eu não pudesse fazer comentários, mas eu não sou comentador. As pessoas pensam, evidentemente, mas não são obrigadas a dizer tudo o que pensam, senão nós assemelhávamo-nos a gente tonta que, em todas as circunstâncias, resolvia fazer considerações sobre todas as coisas que pensam", afirmou Passos Coelho.

"O que eu penso sobre o que se passou nestas eleições do PSD, sobre a estratégia que vai ser seguida, sobre o que o doutor Rui Rio vai fazer ou não vai fazer é, por agora e por muito tempo, uma matéria que só a mim me diz respeito", argumentou.

Passos Coelho lembrou que presidiu ao PSD durante oito anos e frisou que a "última coisa" que gostava de fazer era completar o mandato a fazer comentários sobre o futuro do partido.

"Foi um futuro a que eu não concorri", sustentou Passos Coelho.

No entanto, o presidente dos sociais-democratas, que deixa a liderança no próximo fim de semana, revelou "muita confiança" em que o PSD desempenhe um papel "muito relevante" no espetro político e partidário português, manifestando-se seguro de que o partido "terá um papel decisivo no futuro".

"Tenho a certeza de que toda a gente estará imbuída no melhor espírito para que o seu mandato seja bem sucedido. Porque o partido é de todos nós e a esmagadora maioria das pessoas que eu conheço dentro do meu partido só querem o bem ao seu país e querem que as coisas possam correr o melhor possível para futuro", declarou Passos Coelho.

JLS // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Fernando Negrão foi declarado eleito líder parlamentar do PSD com 39,7% dos votos

O deputado Fernando Negrão conseguiu hoje apenas 39,7% dos votos para a liderança parlamentar do PSD, correspondente a 35 votos favoráveis, 32 brancos e 21 nulos, tendo votado 88 dos 89 parlamentares sociais-democratas.

Bruxelas propõe alteração ao orçamento UE para mobilizar rapidamente ajuda dos incêndios

A Comissão Europeia propôs hoje emendas ao orçamento comunitário para garantir uma rápida mobilização dos apoios financeiros do Fundo de Solidariedade anunciados na semana passada, incluindo 49,1 milhões de euros para Portugal, na sequência dos incêndios de 2017.

Amnistia Internacional condena caso do juíz Neto de Moura

A Amnistia Internacional condena o caso relacionado com o problema da violência doméstica e da própria abordagem da justiça a este fenómeno. Aliás, o documento cita o exemplo do polémico acórdão de um juiz do porto sobre agressões cometidas a mulher chamada de adúltera.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.