Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Passos diz que BE e PCP "rosnam mas não mordem" ao Governo

| Política
Porto Canal com Lusa

Coimbra, 12 fev (Lusa) - O presidente do PSD disse hoje que o PCP e o BE "rosnam mas não mordem" ao Governo socialista e não o derrubam mesmo que este faça o contrário do que defende a esquerda.

Intervindo numa conferência na Faculdade de Economia de Coimbra, Pedro Passos Coelho deu o exemplo das posições assumidas pelos partidos de esquerda em Portugal aquando da crise grega, lembrando que BE e PCP defendiam que o Governo português batesse o pé aos financiadores externos e tivesse o "mesmo procedimento" do Governo grego, mas que hoje a Grécia "foi apagada dos discursos" de comunistas e bloquistas, depois de ter sofrido uma destruição económica "sem precedentes".

"O exemplo do que se passou na Grécia, em que as pessoas nem aos multibancos conseguiam ir buscar o dinheiro que tinham, porque não havia, teve algum impacto em Portugal, na altura. E eu estou convencido que é por isso que o Partido Comunista Português e o Bloco de Esquerda, como se costuma dizer e espero que isto não seja visto como impróprio, rosnam mas não mordem, quer dizer, ameaçam mas não concretizam", frisou Passos Coelho.

"Vão dizendo que o Governo não devia ceder tanto à União Europeia, à Comissão Europeia, devia gastar mais, a obsessão pela redução do défice não devia ser tanta, a redução da dívida não devia ser tanta, que até se devia reestruturar a dívida, sendo que uma parte dela está cá dentro, reestruturá-la era não pagar, era deixar falir os bancos, a segurança social e por aí fora, seria o desastre completo", enunciou o ainda líder do PSD.

Passos Coelho acusou BE e PCP de "assim como quem quer manter uma certa linha de coerência com o que diziam no passado", de defenderem que o "multiplicador keynesiano resolve tudo": "a pré-bancarrota de 2011 a gente nem sabe porque é que aconteceu, bastava gastar mais, mais despesa, o Estado recebia mais impostos, com isso pagava o que devia, era uma maravilha. A gente não sabe porque é que o professor Teixeira dos Santos, Ernâni Lopes e todos os [ministros das Finanças] que lidaram com bancarrotas não se lembraram disso, de gastar o que não tinham, era ótimo", ironizou.

"Eu louvo uma certa coerência nesta maneira de pensar, mas reconheço que, assinalando todavia essa coerência, na prática ninguém deita o Governo abaixo porque o Governo faz o contrário. E isso é bom, porque não teria interesse nenhum em que o país voltasse a uma situação como aquela que viveu", argumentou o presidente do PSD.

JLS // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Fernando Negrão foi declarado eleito líder parlamentar do PSD com 39,7% dos votos

O deputado Fernando Negrão conseguiu hoje apenas 39,7% dos votos para a liderança parlamentar do PSD, correspondente a 35 votos favoráveis, 32 brancos e 21 nulos, tendo votado 88 dos 89 parlamentares sociais-democratas.

Bruxelas propõe alteração ao orçamento UE para mobilizar rapidamente ajuda dos incêndios

A Comissão Europeia propôs hoje emendas ao orçamento comunitário para garantir uma rápida mobilização dos apoios financeiros do Fundo de Solidariedade anunciados na semana passada, incluindo 49,1 milhões de euros para Portugal, na sequência dos incêndios de 2017.

Amnistia Internacional condena caso do juíz Neto de Moura

A Amnistia Internacional condena o caso relacionado com o problema da violência doméstica e da própria abordagem da justiça a este fenómeno. Aliás, o documento cita o exemplo do polémico acórdão de um juiz do porto sobre agressões cometidas a mulher chamada de adúltera.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.