Info

Novo disco de Andreas Staier resulta de "colaboração muito boa" com Casa da Música

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 11 fev (Lusa) -- O cravista alemão Andreas Staier gravou um disco com a Orquestra Barroca Casa da Música, dedicado ao barroco português, que terá edição global pela Harmonia Mundi, na continuação de uma "colaboração muito boa" que inclui uma digressão internacional conjunta.

Staier, artista associado em 2018 da Casa da Música, no Porto, e um dos principais nomes do cravo e pianoforte a nível global, assumiu também a direção musical da orquestra, durante a gravação do disco, que inclui obras do português Carlos Seixas (1704-1748), definido pelo cravista como "um grande compositor", um dos grandes nomes da música no século XVIII.

No programa figuram os dois Concertos para cravo, em Sol menor e Lá maior, do compositor de Coimbra, que foi cravista e organista da corte de D. João V, além de peças de Domenico Scarlatti (1685-1757), italiano com quem se cruzou na corte portuguesa, "Alla Portugesa", uma das "Bizzarie Universali, op.8", do inglês William Corbett (1680-1748), e ainda uma versão para orquestra de cordas da "Música Noturna das Ruas de Madrid", do italiano Luigi Boccherini (1743-1805), que compôs grande parte da sua obra em Espanha.

De Scarlatti, serão interpretadas três sonatas para cravo, entre os dois Concertos de Seixas, e outras duas antes do Quintettino op.30 n.º 6, em Dó maior, "La Musica Notturna delle strade di Madrid", de Boccherini, transcrita por Andreas Staier.

O programa inclui ainda o Concerto n.º5, em Ré menor, vindo da série dos 12 "Concertos in seven parts done from the lessons of Domenico Scarlatti", compostos pelo britânico Charles Avison (1709-1770), a partir de sonatas para cravo do compositor italiano.

A colaboração com a Orquestra Barroca, que depois do disco terá uma digressão associada ao programa, começou "talvez há cinco ou seis anos", explicou Andreas Staier à Lusa, e incluiu, entre outras ações, um concerto na Casa da Música, em 2015, dedicado a Johann Sebastian Bach, que também se estendia ao barroco francês de d'Anglebert, De Grigny e François Couperin.

"Foi, desde o início, uma colaboração muito boa. Gosto muito deles, são muito bons músicos, fazem um bom grupo, pessoas muito boas. É uma combinação perfeita", afirmou Andreas Staier.

O músico alemão contactou a editora Harmonia Mundi, com quem costuma gravar habitualmente, e começou a trabalhar a decisão do programa com a orquestra portuguesa.

A escolha das obras a incluir atravessou uma série de decisões práticas, desde o orçamento para a digressão, que poderia ficar "muito mais cara com músicos adicionais para um programa de Mozart ou Haydn", às características particulares dos músicos da formação portuense.

"Depois começámos a pensar num programa com música portuguesa e espanhola, e com reflexões sobre a música ibérica escrita por dois compositores britânicos", contou o cravista.

O programa inclui "um dos grandes génios de música para tecla", o italiano Domenico Scarlatti, que foi "a ligação entre todos os compositores", e o resto "foi-se compondo", num trabalho de pesquisa e investigação, no qual o pianista alemão confessa ter "aprendido muito".

No que toca ao trabalho de Carlos Seixas, Andreas Staier acredita que o "grande compositor" poderá ter criado "os dois primeiros Concertos para tecla [e orquestra] da História", admitindo mesmo que possam anteceder os 14 concertos para cravo de Johann Sebastian Bach, escritos em Leipzig, a partir de 1729/1730, embora essa seja uma constatação "difícil de confirmar", pela distinção por vezes complicada de fazer, nesta fase, entre música de câmara e concerto.

A última peça do CD, "Quintettino op.30 nº 6, em Dó maior, 'La Musica Notturna delle strade di Madrid'", tem solos de violoncelo, e Staier deixa elogios ao "grande violoncelista da Orquestra Barroca, Filipe Quaresma", uma vez que Boccherini "também era violoncelista, e esta obra não é para principiantes".

O disco "provavelmente estará pronto em novembro, com a intenção de aproveitar o arranque da digressão", e beneficiou das duas atuações públicas, com o programa, realizadas antes das sessões de gravação, em Dijon, França, e Ludwighafen, na Alemanha.

"O processo de gravação é sempre muito trabalhoso, fica-se sempre preso em pontos que não tínhamos pensado que iam ser difíceis. (...) Acho que será um CD muito bom, mesmo que seja sempre surpreendente ouvir o resultado final", disse Andreas Staier à Lusa, destacando ainda o peso de "uma boa edição", no resultado final.

Apesar de o projeto atual 'ocupar' Staier e a orquestra durante o próximo ano, a colaboração deve continuar, num novo repertório, uma vez que ambos querem "fazer um projeto de Haydn".

"Espero que possa voltar para isso, porque o Porto é uma cidade maravilhosa. Arrependo-me sempre de não falar português, apesar de já o conseguir ler", explicou o músico.

O programa será ainda apresentado a 03 de novembro, nas Noites de Queluz, e na Casa da Música, nos dias 04 e 06 desse mês, numa atuação que contará com o Remix Ensemble. Seguir-se-á Viena, na Konzerthaus, no dia 09.

No Porto, a expressão barroca combina-se com a música nova, pelo Remix Ensemble, que estreia uma obra de Gonçalo Gato, compositor em residência, encomendada pela Casa da Música, antes da interpretação de "Auf die Stimme der weißen Kreide" ("Na voz do giz branco", em tradução livre), do austríaco Johannes Maria Staud.

SIYF // MAG

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Embarcação que naufragou ao largo de Espinho localizada no fundo do mar

A Marinha Portuguesa informou hoje que localizou, no fundo do mar, a embarcação Mestre Silva que naufragou há uma semana ao largo de Esmoriz, no concelho de Espinho.

Hospital de São João da Madeira retoma obras no Serviço de Urgência

O Hospital de São João da Madeira já retomou as obras no Serviço de Urgência após divergências com o empreiteiro inicial e ajustará a nova intervenção à grande procura registada nessa valência, revelou hoje a administração da unidade.

Começou a remoção dos resíduos do Cachão em Mirandela

Os resíduos depositados no Complexo do Cachão, em Mirandela, Trás-os-Montes, começaram hoje a ser removidos depois de cinco anos de polémica e queixas com a perspetiva de a operação ser concluída até ao final do ano.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.