Jornal Diário Jornal das 13

Governo propõe prémio para centrais de biomassa sem incêndios na região envolvente

Governo propõe prémio para centrais de biomassa sem incêndios na região envolvente
| Política
Porto Canal com Lusa

O Governo quer que as novas centrais de biomassa criadas ao abrigo do regime especial, em vigor desde junho, recebam um prémio se não houver incêndios na região envolvente, com o objetivo de incentivar a limpeza da floresta.

De acordo com fonte oficial da secretaria de Estado da Energia, Portugal propôs à Comissão Europeia uma remuneração à produção de energia com tarifa bonificada, que prevê a atribuição de um prémio relacionado com a não existência de incêndios na região de implementação da central de biomassa.

Questionada pela agência Lusa sobre o processo de aprovação destas centrais, num total de 60 megawatts (MW), com preços apoiados, fonte oficial adiantou que está em curso a definição do regime remuneratório.

O Governo criou um regime especial e extraordinário - aprovado em março e em vigor desde 13 de junho de 2017 - para instalação e exploração de centrais de biomassa pelos municípios ou, por decisão destes, por comunidades intermunicipais ou por associações de municípios, potenciando o objetivo de assegurar aos produtores florestais o valor do material lenhoso.

A localização destas centrais terá que ter em conta a proximidade com zonas críticas de incêndio ou com povoamentos florestais e a proximidade em relação a outras centrais de biomassa florestal ou outras indústrias do setor florestal, consumidoras de biomassa florestal.

Outros dos fatores de peso na escolha da localização é a possibilidade de implantar, preferencialmente, em zonas ou parques industriais, áreas de localização empresarial ou outras zonas que permitam ou propiciem, complementarmente, o aproveitamento da energia térmica.

Em 2006 foram lançados concursos públicos para construir e explorar centrais de biomassa florestal residual, mas a iniciativa privada deixou por instalar 50% da potência de injeção então colocada a concurso e que agora o Governo quer atribuir.

A potência de injeção na rede elétrica a atribuir, ao abrigo desta legislação, não deverá exceder um total de 60 MW e um máximo de 15 MW por central, as quais beneficiarão de medidas de apoio à venda da eletricidade.

+ notícias: Política

Governo quer acabar com a reforma obrigatória na Função Pública

O Governo prepara-se para acabar com a reforma obrigatória dos funcionários públicos aos 70 anos. Esta é uma regra com quase um século que tem sido bastante criticada mas que ainda assim não é consensual.

Duas carrrinhas com serviços públicos apoiam populações afetadas

Duas carrinhas com serviços de administração pública vão percorrer até à próxima quinta-feira as localidades afetadas pelo incêndio de Monchique, para prestar apoio às populações, anunciou hoje o Instituto da Segurança Social (ISS).

SINTAP diz que o fim da reforma obrigatória aos 70 anos é uma medida desnecessária

O Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP) considerou hoje uma "mudança claramente avulsa" e "desnecessária" a intenção do Governo de alterar a lei que obriga os funcionários públicos a aposentar-se quando completam 70 anos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...