Jornal Diário Jornal das 13

'Made in Portugal' representa "mais valor acrescentado"

| Economia
Porto Canal com Lusa

Paris, 20 jan (Lusa) - O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, defendeu hoje, em Paris, que os setores do mobiliário e dos têxteis-lar são "exemplos da modernização" em Portugal e que o país representa atualmente "mais valor acrescentado".

As declarações foram feitas na feira Maison & Objet, que arrancou esta sexta-feira e decorre até 23 de janeiro, no Parque de Exposição de Paris Nord Villepinte, e onde estão representadas mais de cem empresas portuguesas dos setores do mobiliário, têxteis-lar, decoração, iluminação, acessórios e cozinha.

"No setor têxtil-lar, Portugal está entre os dez países mais exportadores do mundo e no setor mobiliário estamos entre os 20 países mais exportadores do mundo. Portanto, já não é baixos salários, já não é baixos custos de produção, é sobretudo mais valor acrescentado", afirmou o ministro em reação às conclusões de um estudo do Observatório sobre Crises e Alternativas segundo o qual a consolidação da retoma económica está a criar precariedade.

O barómetro, divulgado a 05 de janeiro, revelou que o predomínio da precariedade continua, com a redução do peso dos contratos permanentes no setor privado e a degradação dos salários.

O chefe da diplomacia portuguesa argumentou que o modelo de crescimento de Portugal "já não é baseado em baixos salários" porque acrescenta "mais valor no processo de produção, no processo de comercialização e nos serviços" prestados aos clientes e declarou que "essa ideia antiga de que Portugal exportava, sobretudo, cortiça ou calçado ou vestuário é uma ideia justamente cada vez menos adequada à realidade".

Augusto Santos Silva explicou que, nas exportações, a França é o segundo cliente de Portugal e Portugal o 15º fornecedor da França e apontou como principais grupos de produtos ou serviços exportados para França as viagens e o turismo, os veículos e outros meios de transporte, os serviços ligados aos transportes e as máquinas e aparelhos.

Na Maison & Objet, "uma feira importantíssima" da fileira casa, em que "Portugal está entre os cinco países mais representados", o ministro salientou que "os setores que tradicionalmente são fortes nas exportações portuguesas modernizaram-se muito e são, aliás, dos setores que mais se modernizaram em Portugal e mais se adaptaram às novas competições da competição internacional".

"Justamente, os dois setores principais que estão aqui presentes, o setor mobiliário e o setor têxteis-lar, são exemplos desta modernização", continuou, acrescentando que "o conjunto da fileira casa significa hoje em Portugal 3,5% das exportações, significa mais de 6.000 empresas, mais de 42.000 postos de trabalho diretos e exportações no valor anual superior a mil e setecentos milhões de euros".

O ministro dos Negócios Estrangeiros, acompanhado pelo secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, está em Paris, esta sexta e sábado, numa missão de diplomacia económica que descreveu como "muito importante porque a internacionalização da economia portuguesa é um dos motores do crescimento da economia e do emprego".

Esta sexta-feira, Santos Silva reuniu-se com empresários e investidores da comunidade portuguesa em França e o secretário de Estado visitou a Bijorhoca - Feira Internacional de Joalharia e a Who´s Next - Feira Internacional de Moda, que ocorrem em simultâneo no centro de exposições da Porta de Versalhes e nas quais há cerca de duas dezenas de empresas portuguesas a participar.

CAYB // FPA

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Não param de aumentar os registos de alojamento local

Tem aumentado exponencialmente o número de registos de alojamento local em Portugal. Os proprietários estão a aproveitar enquanto a nova lei não entra em vigor. Com as novas regras, as autarquias passam a ter mais poderes e podem inclusive criar zonas nas cidades sem este tipo de alojamento.

Menos turistas estrangeiros reduzem dormidas nos hotéis em 2,9% em junho

As dormidas na hotelaria diminuíram 2,9% em junho em termos homólogos, devido sobretudo aos turistas estrangeiros que pernoitaram menos 5,1% nos hotéis portugueses nesse mês, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Portugal ascende ao 2º lugar dos países que mais fundos recebem de Bruxelas

Portugal recebeu, em três anos, 5,7 mil milhões de euros da Comissão Europeia, ascendendo ao segundo lugar entre os Estados-membros que mais fundos comunitários receberam até junho, segundo dados revelados por Bruxelas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...