Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Combustão de resíduos da antiga mina do Pejão "não representa alarme" segundo empresa

Combustão de resíduos da antiga mina do Pejão "não representa alarme" segundo empresa
| País
Porto Canal com Lusa

A empresa EDM comunicou esta terça-feira que a combustão de resíduos das antigas minas do Pejão, em Castelo de Paiva, que ocorre desde outubro, "não representa no imediato um motivo de alarme para a população".

"Apesar de considerar que esta situação não representa no imediato um motivo para alarme para a população, a EDM esclarece que procedeu à colocação no local de uma estação de monitorização de qualidade do ar de forma a assegurar a medição de monóxido de carbono, óxidos de azoto, dióxido de enxofre e partículas no sentido de clarificar os impactes nas populações localizadas na envolvente", lê-se num comunicado enviado à Lusa.

A Empresa de Desenvolvimento Mineiro (EDM) é responsável pela "caracterização e recuperação ambiental das áreas mineiras degradadas e sua monitorização, no âmbito do contrato de concessão atribuído pelo Estado Português.

A combustão que se observa desde outubro foi provocada pelo grande incêndio que lavrou no concelho de Castelo de Paiva, o que tem suscitado manifestações de preocupação dos autarcas locais.

Na sexta-feira, técnicos da empresa estiveram no local para avaliar a situação, acompanhados de autarcas de Castelo de Paiva, o que permitiu recolher dados para ser iniciado um estudo, hoje anunciado, que permita determinar a solução técnica para o problema.

"Em resultado desta visita, a EDM verificou que os focos de combustão se encontram limitados a materiais depositados em escombreiras, não existindo evidência de que se tenham propagado às jazidas de carvão que não foram exploradas no subsolo", esclarece-se no comunicado.

A empresa acrescenta que "a combustão lenta de materiais carboníferos depositados em escombreiras é responsável pela emissão dos gases de combustão do carvão que se tornaram mais intensos com as chuvas, em resultado do acréscimo de evaporação de água da precipitação em contacto com os focos de combustão".

Apesar de os focos de combustão se localizarem em terrenos privados, acrescenta a EDM, "procedeu-se à colocação de vedações provisórias nas áreas que não estavam vedadas de modo a garantir a segurança".

"São medidas urgentes e necessárias para avaliar os efeitos nas populações dos focos de combustão e prevenir acidentes nas zonas afetadas, enquanto decorre o estudo da solução técnica para numa primeira fase proceder à extinção dos focos de combustão e posteriormente proceder aos ajustamentos necessários nas escombreiras no sentido de evitar novas ocorrências no futuro", informa a empresa.

+ notícias: País

Duas pessoas levadas para o hospital por inalação de fumo após incêndio em Aveiro

Duas pessoas foram transportadas ao hospital por “inalação de fumo”, na sequência do incêndio que obrigou a evacuar um lar de idosos e outro edifício em Aveiro e que foi “dominado às 14h35”, informou fonte da Proteção Civil.

Triplicaram casos de sarampo na Europa em 2017 para mais de 14 mil casos

Mais de 14 mil casos de sarampo foram notificados em 30 países europeus no ano passado, triplicando o número de situações registadas em 2016, segundo um relatório publicado este mês pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças.

Funcionários e bolseiros da Universidade de Aveiro querem regularização imediata de vínculos laborais

Cerca de 50 professores, funcionários e bolseiros da Universidade de Aveiro protestaram em frente à reitoria. Em causa estão os vínculos de trabalho precário e o programa do Estado para a regularização desses contratos. A Universidade diz que os processos ainda estão a ser analisados.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.