Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Sindicato médico exige que Ministério retome negociações e lamenta falta de contacto

Sindicato médico exige que Ministério retome negociações e lamenta falta de contacto
| País
Porto Canal com Lusa

O Sindicato Independente dos Médicos exige que o Ministério da Saúde retome as negociações com os médicos, lamentando que desde a última greve em novembro não tenha havido qualquer contacto do Governo.

"Qual a razão para o ministro da Saúde se recusar a negociar com os sindicatos médicos?", questiona o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Roque da Cunha, em declarações à agência Lusa.

Na sexta-feira, os sindicatos médicos enviaram ao ministro da Saúde uma carta "a exibir o retomar das negociações".

Segundo Roque da Cunha, o bastonário da Ordem dos Médicos convocou para terça-feira uma reunião do Fórum Médico, estrutura que reúne várias organizações representativas dos médicos.

A última greve nacional de médicos ocorreu no início de novembro, depois de greves regionais em outubro.

Os sindicatos pretendem uma redução das listas de utentes por médicos de família e uma redução de 18 para 12 horas semanais no serviço de urgência. É ainda reclamada uma reformulação dos incentivos à fixação em zonas carenciadas, uma revisão da carreira médica e respetivas grelhas salariais e a diminuição da idade da reforma para os médicos, entre outras medidas.

Em novembro, aquando da greve, o ministro da Saúde chegou a estimar que até ao fim de 2017 chegaria a um consenso com os sindicatos médicos, que no ano passado cumpriram duas paralisações gerais, em maio e em novembro.

"Há um permanente diálogo, mas temos dois aspetos que ainda não estão fechados", disse na altura o ministro da Saúde sobre as negociações com os médicos, recordando que falta chegar a acordo sobre a redução das listas de doentes por médicos de família e sobre a redução das horas em urgências.

Adalberto Campos Fernandes indicava ainda que uma redução de utentes por médicos, de 1.900 para 1.500, poria em causa o compromisso de dar um médico de família a todos os portugueses até final da legislatura.

+ notícias: País

PJ investiga causas de incêndio em empresa de congelados de Viseu

A Polícia Judiciária está a averiguar as causas do incêndio que deflagrou esta quarta-feira na Beiragel, empresa do concelho de Viseu que se dedica ao comércio e transformação de produtos alimentares congelados, disse o segundo comandante dos Bombeiros Municipais.

Trabalhadores do Infarmed voltam a rejeitar deslocalização para o Porto

A quase totalidade dos trabalhadores do Infarmed discorda da deslocalização da Autoridade do Medicamento de Lisboa para o Porto e apenas sete por cento estaria disponível para se mudar, segundo dados de um inquérito realizado hoje.

Estudo indica que melhores alunos do país são os de Medicina

Os melhores alunos do país são os de Medicina e estudam em média uma hora por dia. A conclusão é de um estudo da Faculdade de Medicina do Porto, que diz que os estudantes desta área devem ser acompanhados assim que entram para a faculdade.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.