Jornal Diário Jornal das 13

Família de trabalhador morto a combater fogo em Oleiros deve ser ressarcida

| País
Porto Canal com Lusa

Oleiros, Castelo Branco, 14 jan (Lusa) - A Câmara de Oleiros pediu ao Provedor de Justiça que a família do trabalhador que morreu no combate ao incêndio que deflagrou a 07 de outubro de 2017 seja ressarcida com os mesmos apoios das restantes vítimas dos incêndios.

"Escrevemos ao provedor de Justiça, com conhecimento ao presidente da República e ao primeiro-ministro, a solicitar que o trabalhador [Câmara de Oleiros] que morreu quando operava uma máquina durante um incêndio seja considerado entre as vítimas oficiais dos incêndios", disse hoje à agência Lusa o presidente do município de Oleiros, Fernando Marques Jorge.

O trabalhador da Câmara de Oleiros, com 50 anos, morreu quando combatia um incêndio que deflagrou naquele concelho, no dia 07 de outubro de 2017, e, na altura, o autarca disse que não são só os que morrem queimados que são vítimas dos incêndios.

"Este trabalhador morreu debaixo de uma máquina quando combatia o incêndio, quando estava a defender o país e os bens de outras pessoas", afirmou.

Fernando Marques Jorge diz que está à espera de uma resposta e adiantou à Lusa que acredita que a família do trabalhador da autarquia irá ter apoios semelhantes ou iguais aos das outras vítimas dos incêndios.

"Não poderá ser de outra forma. Estamos à espera da decisão. Se não for apoiada [família], algo está muito errado. Se todas as famílias [das vítimas] têm o direito de ser ressarcidas, esta tem muito mais, porque ele estava a trabalhar em prol da autarquia, do país e dos bens das pessoas", afirmou.

O autarca defendeu que, nestes casos, não pode haver diferenças entre as vítimas.

CAYC // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Taxistas abertos a diálogo se lei incluir a definição de contigentes de carros

Os motoristas de táxi estão dispostos a pôr fim aos protestos que duram há três dias se a lei passar a contemplar a fixação, pelos municípios, do contingente de carros para aluguer de passageiros, disse um dirigente associativo.

Passageiros do Alfa Pendular de Lisboa a Braga obrigados a mudar de comboio no Porto

Os passageiros da CP (Comboios de Portugal) que pagam bilhete para o Alfa Pendular de Lisboa para Braga, são obrigados a prosseguir viagem, a partir do Porto, num comboio suburbano. Nas últimas semanas a situação tem sido recorrente, o que deixa os passageiros indignados.

Chamas na Covilhã controladas, parque de campismo vai reabrir

O incêndio que deflagrou este sábado na zona da Covilhã, Castelo Branco, está controlado e em fase de rescaldo e vigilância, disse à Lusa o presidente da Câmara da Covilhã, Vítor Pereira.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.