Info

População do Havai recebe falso alerta de ameaça de míssil

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Washington, 13 jan (Lusa) - A população do Havai, nos Estados Unidos, recebeu um falso alerta, via telemóvel, de ameaça de um míssil balístico que alegadamente se dirigiria para aquele estado norte-americano.

O alerta foi enviado hoje de manhã para todos os habitantes do Havai, com a informação de que estaria iminente um ataque com um míssil balístico contra aquele território.

Pouco depois, o senador democrata do Havai, Tulsi Gabbard, e a Agência de Gestão de Emergências garantiram, através da rede social Twitter, que o alerta era falso e que não havia qualquer ameaça. O porta-voz do Comando do Pacífico dos Estados Unidos, David Benham, explicou que a mensagem foi enviada por erro.

No entanto, o governador do Havai, David Ige, afirmou que quer mais explicações porque este tipo de incidentes não pode acontecer.

"A população tem de confiar no nosso sistema de alertas de emergência", sublinhou David Ige.

Este episódio aconteceu numa altura de tensão entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, por causa do programa nuclear desenvolvido por Pyongyang.

SS // JPF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Donald Trump volta a defender separação de famílias na fronteira com o México

O Presidente norte-americano, Donald Trump, voltou a defender este sábado a separação de famílias de imigrantes na fronteira com o México, encorajando todos os que "sentem" que vão ser separados a não entrarem no território.

Acidente de viação na Grécia faz 11 mortos, possivelmente migrantes

A polícia grega disse ter recuperado os corpos de 11 pessoas que acredita serem migrantes recentemente chegados da Turquia, depois de o carro em que seguiam ter tido um acidente no norte da Grécia, adiantou a AP.

Brasil/Eleições: Passaporte português é plano de fuga para brasileiros após eleições

São Paulo, Brasil, 20 out (Lusa) - Procurar por um passaporte português passou a ser um plano alternativo, nas últimas semanas, para brasileiros que, receando o aumento da violência após as eleições presidenciais de 28 de outubro, equacionam deixar o país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.