Jornal Diário Jornal das 13

PM de Cabo Verde diz que manifestação em São Vicente "não tem nada a ver" com atual Governo

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Praia, 13 jan (Lusa) - O primeiro-ministro cabo-verdiano disse hoje que a manifestação de centenas de pessoas em São Vicente contra o centralismo "não tem nada a ver" com atual Governo, que considera ser o que mais tem feito a descentralização do país.

"Acho que esta manifestação não tem nada a ver com este Governo. Somos o Governo que mais descentralização tem estado a fazer, um Governo engajado na regionalização, que tem estado a transferir mais recursos para os municípios, numa atitude de parceria, por isso acho que não tem nada a ver connosco", disse Ulisses Correia e Silva.

O chefe do Governo cabo-verdiano falava aos jornalistas, na cidade da Praia, no final da sessão solene comemorativa do 13 de janeiro, dia da Liberdade e da Democracia, numa reação à manifestação hoje na ilha de São Vicente, promovida pelo movimento Sokols2017, contra o centralismo da capital e em defesa da regionalização político-administrativa em Cabo Verde.

"A manifestação é um direito que as pessoas têm, desde que cumpra os requisitos legais não temos absolutamente nada a opinar", prosseguiu.

"O que eu digo é que o estado da liberdade também cria essa confiança de as pessoas tomarem as suas decisões, opinarem, se organizarem. Isto desde que seja feito na base da lei e do respeito", terminou Ulisses Correia e Silva.

Centenas de pessoas saíram hoje às ruas da ilha de São Vicente, numa manifestação promovida pelo movimento Sokols2017, contestando a extrema dependência de São Vicente das decisões políticas e administrativas da cidade da Praia, na ilha de Santiago.

A manifestação aconteceu no mesmo dia em que o país comemora o 13 de janeiro, dia da Liberdade e da Democracia, em que se assinala 27 anos das primeiras eleições multipartidárias no país, após 16 anos em regime de partido único.

RYPE // JPF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Epidemia de cólera mata cerca de 100 pessoas na Nigéria

Uma epidemia de cólera matou quase 100 pessoas nas últimas duas semanas no nordeste da Nigéria, uma região devastada pelas ações do grupo extremista Boko Haram, informou este sábado a ONU.

Trabalhadores do McDonald's fizeram greve nos EUA contra o assédio sexual

Trabalhadores do McDonald's realizaram, na terça-feira, em dez cidades norte-americanas, uma greve laboral contra o assédio sexual na empresa, em consonância com o movimento #MeToo.

Chuvas na Nigéria provocam 100 mortos, autoridades estimam que número aumente

As autoridades nigerianas afirmaram que 100 pessoas morreram devido às inundações provocadas pelas chuvas fortes que se fizeram sentir no país nos últimos dias.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.