Info

Costa afasta "Bloco Central" e recusa dizer quem prefere a liderar PSD

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 jan (Lusa) - O secretário-geral do PS afastou hoje eventuais soluções de Governo de "Bloco Central" em Portugal, alegando que o atual executivo tem alcançado "bons resultados", e recusou-se a pronunciar-se sobre quem prefere na liderança do PSD.

Palavras que foram proferidas por António Costa antes da reunião da Comissão Nacional do PS, depois de ter sido interrogado se prefere Rui Rio ou Pedro Santana Lopes na presidência do PSD.

"Já chega eles [Pedro Santana Lopes e Rui Rio] discutirem qual deles me prefere a mim. Não vou interferir de forma nenhuma no congresso do PSD", respondeu o líder dos socialistas.

Questionado se, tal como na Alemanha, também em Portugal os dois maiores partidos portugueses, PSD e PS, podem, a prazo, entender-se para a formação de um Governo, António Costa considerou esse tema "sem sentido", colocando antes a questão portuguesa numa dialética entre esquerda e direita.

"Não faz sentido, porque temos uma solução de Governo para quatro anos, que, felizmente, tem provado muito bem e assegurou ao país estabilidade, mas estabilidade na mudança. O país estava saturado da política seguida pelo Governo PSD/CDS, que teve desastrosos resultados económicos, sobretudo na destruição de emprego, na esperança e na confiança dos portugueses", criticou depois.

Nos últimos dois anos, segundo António Costa, o atual Governo socialista tem "conseguido reconstruir essa esperança e essa confiança" dos portugueses.

"Cumprimos todos os compromissos estabelecidos com os portugueses, os compromissos no quadro da maioria parlamentar e os compromissos com a União Europeia", acrescentou.

PMF // MSF

Lusa/fim

+ notícias: Política

Tancos: Presidente da República garante desconhecer factos sobre reaparecimento das armas

O Presidente da República garantiu este sábado à Agência Lusa desconhecer os factos na base do desaparecimento e reaparecimento das armas de Tancos, recordando que tem insistido na exigência do esclarecimento de "toda a verdade, doa a quem doer".

Mário Centeno diz que eleitoralismo do PS foi cumprir todas as metas

O ministro das Finanças, Mário Centeno, considerou esta sexta-feira que o eleitoralismo do PS na proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) foi cumprir todas as metas e promessas, que se traduzem na estabilização do sistema financeiro português.

Tenente-general José Nunes da Fonseca novo chefe do Estado-Maior do Exército

O tenente-general José Nunes da Fonseca será o novo chefe do Estado-Maior do Exército, tendo o seu nome recebido parecer favorável por unanimidade do Conselho Superior do Exército, anunciou hoje o primeiro-ministro, António Costa, em Bruxelas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.