Jornal Diário Jornal das 13

Rússia "tudo fará" para preservar acordo nuclear com Irão

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Moscovo, 13 jan (Lusa) -- A Rússia assegurou hoje que vai fazer tudo o que puder para preservar o acordo nuclear de 2015 com o Irão e adverte que se os Estados Unidos abandonarem o pacto cometem "um erro muito grave".

"Faremos tudo o que depender de nós para preservar o acordo", disse o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Riabkov, à agência Interfax.

"Estamos a chegar gradualmente à conclusão de que já foi tomada uma decisão interna, nos Estados Unidos, de sair [do acordo nuclear], ou que vai ser tomada em breve", disse o "número dois" da diplomacia russa.

"Isso pode ser um dos erros graves de Washington em política externa, um erro de cálculo extremamente negativo", acrescentou.

Concluído em julho de 2015 entre o Irão e o grupo 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança -- EUA, Rússia, China, França e Reino Unido -- e a Alemanha), o acordo nuclear permitiu o levantamento de parte das sanções internacionais em troca do compromisso de Teerão de que o seu programa nuclear tem fins pacíficos.

O presidente norte-americano, Donald Trump, confirmou na sexta-feira a suspensão das sanções económicas a Teerão, mas a Casa Branca advertiu que se tratou "da última suspensão" e exigiu a concordância dos europeus numa adenda ao atual acordo.

Trump considera que o atual acordo, concluído durante a presidência de Barack Obama, não evita o desenvolvimento de mísseis balísticos e não promove o respeito pelos direitos humanos.

MDR // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Epidemia de cólera mata cerca de 100 pessoas na Nigéria

Uma epidemia de cólera matou quase 100 pessoas nas últimas duas semanas no nordeste da Nigéria, uma região devastada pelas ações do grupo extremista Boko Haram, informou este sábado a ONU.

Trabalhadores do McDonald's fizeram greve nos EUA contra o assédio sexual

Trabalhadores do McDonald's realizaram, na terça-feira, em dez cidades norte-americanas, uma greve laboral contra o assédio sexual na empresa, em consonância com o movimento #MeToo.

Chuvas na Nigéria provocam 100 mortos, autoridades estimam que número aumente

As autoridades nigerianas afirmaram que 100 pessoas morreram devido às inundações provocadas pelas chuvas fortes que se fizeram sentir no país nos últimos dias.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.