Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Farmácias angolanas proibidas de vender antibióticos sem receita

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Luanda, 13 jan (Lusa) - O Ministério da Saúde angolano ordenou às farmácias do país a proibição de dispensa de vários medicamentos, nomeadamente antibióticos, sem receita médica, de forma a travar a automedicação da população.

A informação consta de um despacho de final de dezembro, assinado pela ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta, proibindo expressamente a venda, sem receita médica, de antibióticos, incluindo tuberculostáticos e os de terceira geração, Misoprostol, Sildenafil, Tadalafil e Vardenafil, além de psicotrópicos.

O documento, a que a Lusa teve hoje acesso, refere a "existência de práticas generalizadas de automedicação por parte da população" e "tendo em conta os riscos inerentes ao uso inadequado dos medicamentos" para a saúde humana.

As farmácias ficam ainda obrigadas a fazer o registo de entrada e de controlo de stocks destes medicamentos, durante pelo menos cinco anos, mantendo igualmente as cópias das receitas, cabendo à Inspeção-Geral da Saúde a fiscalização destas medidas.

O Governo angolano prevê gastar 7,40% das despesas públicas incluídas no Orçamento Geral do Estado para 2018 com o setor da Saúde, na ordem dos 339,1 mil milhões de kwanzas (1.700 milhões de euros).

Contudo, estes serviços de saúde públicos continuam inacessíveis, por falta de equipamentos, profissionais ou mesmo medicamentos, para uma parte importante da população angolana.

PVJ // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Macau com recorde de 32,6 milhões de visitantes em 2017

Macau bateu um novo recorde ao receber mais de 32,6 milhões de visitantes em 2017, revelam dados preliminares divulgados esta quarta-feira pela Direção dos Serviços de Turismo (DST) que antecipa, para este ano, um crescimento de 1 a 3%.

Brexit: Parlamento britânico aprova lei do Governo para saída da União Europeia

Londres, 17 jan (Lusa) - O parlamento britânico aprovou hoje um projeto de lei para a saída do Reino Unido da União Europeia, concluindo-se a última etapa de um percurso tumultuoso para o Governo liderado por Theresa May.

PM demitido da Guiné-Bissau diz que sai sem mágoa do Presidente

Bissau, 17 jan (Lusa) -- O antigo primeiro-ministro guineense Umaro Sissoco Embaló, demitido segunda-feira, afirmou hoje que não tem nenhuma mágoa em relação ao Presidente guineense, José Mário Vaz, a quem prometeu que guardará "respeito por toda vida".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.