Jornal Diário Jornal das 13

Epidemia de sarampo em 2017 teve dois surtos coincidentes

Epidemia de sarampo em 2017 teve dois surtos coincidentes
| País
Porto Canal com Lusa

A epidemia de sarampo em fevereiro de 2017, que causou um morto e infetou 56 pessoas, teve dois surtos com origens em diferentes subtipos do vírus que coincidiram no tempo, revelou à Lusa o presidente do laboratório de referência nacional.

Em entrevista à agência Lusa, o presidente do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) afirmou que, tecnicamente, não existiu um surto de sarampo, mas sim dois surtos.

Fernando Almeida referia-se à epidemia de sarampo, iniciada em fevereiro de 2017 e dada como terminada a 05 de julho do mesmo ano, que causou a morte de uma jovem que não estava vacinada e infetou 56 pessoas.

Com a intervenção do Instituto, foi possível "fazer a caracterização genotípica", através da qual se identificam os vários tipos e subtipos de sarampo.

Segundo Fernando Almeida, essa avaliação concluiu que nesta epidemia existiram dois subtipos de vírus do sarampo: um que começou no sul, no Algarve, e outro que começou na região de Lisboa.

"Tecnicamente, apesar de ter havido uma coincidência temporal, foram dois surtos que aconteceram", disse.

Para Fernando Almeira, "isto é importante sob o ponto de vista epidemiológico, porque permite perceber com maior facilidade quais foram as fontes comuns de infeção: No Algarve, provavelmente terá a ver com uma fonte oriunda de um país estrangeiro do norte da Europa e o de Lisboa com um país do leste da Europa".

"Os tipos que estavam a circular nesse país do norte eram os mesmos do Algarve e o tipo do sarampo que estava em Lisboa era o mesmo que circulava na Europa de leste", prosseguiu.

Fernando Almeida reiterou a importância da vacina e considera que esta epidemia veio demonstrar isso mesmo: "É preciso vacinarmo-nos e as vacinas funcionam".

O presidente do INSA alertou para o facto de o vírus do sarampo circular "cada vez menos em Portugal".

"Quem teve sarampo está, à partida, mais protegido do que aqueles que só tiveram contacto com o sarampo através da vacina", disse.

Fernando Almeida recordou que "as mães que antigamente tiveram sarampo transmitiam ao feto esses anticorpos e eles já saíam com alguma defesa reforçada".

Hoje, "a maior parte das mães já não contactou com o vírus".

+ notícias: País

SEF alerta para aumento de indocumentados e "fortes indícios" de tráfico de menores

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) destacou hoje o aumento do número de cidadãos estrangeiros que chegam indocumentados aos aeroportos portugueses, muitos deles com crianças menores, e alertou para “fortes indícios” de casos de tráfico.

INEM revela que mais de 1200 menores entraram em coma alcoólico em 2017

O Governo lançou esta sexta-feira uma campanha de sensibilização para alertar os jovens em relação ao consumo de álcool excessivo antes e depois dos 18 anos.

Cancro de pele está a aumentar em Portugal

O cancro de pele esta a aumentar em Portugal. A Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo estima que haja 12 mil novos casos de cancro por ano. Este tipo de cancro mata anualmente 250 portugueses.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.