Jornal Diário Jornal das 13

Inconformados com crise política na Guiné-Bissau acusam comunidade internacional de passividade

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Bissau, 12 jan (Lusa) -- O Movimento de Cidadãos Inconformados com a crise política na Guiné-Bissau acusou hoje a comunidade internacional de "passividade e de brincadeira com o povo guineense", que sofre nas mãos do Presidente do país, José Mário Vaz.

A margem de um comício popular, organizado em Bissau, o porta-voz do Movimento de Cidadãos Conscientes e Inconformados com a crise política, Sumaila Djaló, afirmou que a atuação da comunidade internacional "apenas permite ao Presidente ganhar tempo".

"A comunidade internacional não pode ter o povo da Guiné-Bissau a sofrer com um regime anticonstitucional da República e não se posicionar de forma clara. Está a brincar com o povo da Guiné-Bissau", defendeu Sumaila Djaló.

O porta-voz apontou o dedo à Comunidade Económica de Estados da Africa Ocidental (CEDEAO) e à representação da ONU em Bissau, para as acusar de "falta de posição clara" perante a crise guineense.

"Estamos a pedir à comunidade internacional que se posicione de forma incisiva para demonstrar que, de facto, compreende o problema em que estamos, para demonstrar que não está a dormir perante um Governo ilegal", declarou Sumaila Djaló.

Sobre as informações que circulam no país, indicando que o primeiro-ministro, Umaro Sissoco Embaló, teria entregado hoje ao Presidente guineense o pedido de demissão do cargo, o porta-voz dos Inconformados disse que a saída de Embaló "por si só não resolve o problema".

"Se o 'Jomav' quiser demitir o seu Governo que o demita. Mas o problema é o Presidente, que deve demitir-se para irmos a eleições gerais antecipadas, em 2018", notou Djaló, referindo-se a José Mário Vaz pelo nome pelo qual é conhecido no país.

Os Inconformados, constituídos na sua maioria por jovens dos liceus e das universidades de Bissau, prometem realizar um comício popular na próxima sexta-feira, "para continuarem a exigir a renúncia do Presidente" da República, sublinhou Sumaila Djaló.

MB // ARA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Epidemia de cólera mata cerca de 100 pessoas na Nigéria

Uma epidemia de cólera matou quase 100 pessoas nas últimas duas semanas no nordeste da Nigéria, uma região devastada pelas ações do grupo extremista Boko Haram, informou este sábado a ONU.

Trabalhadores do McDonald's fizeram greve nos EUA contra o assédio sexual

Trabalhadores do McDonald's realizaram, na terça-feira, em dez cidades norte-americanas, uma greve laboral contra o assédio sexual na empresa, em consonância com o movimento #MeToo.

Chuvas na Nigéria provocam 100 mortos, autoridades estimam que número aumente

As autoridades nigerianas afirmaram que 100 pessoas morreram devido às inundações provocadas pelas chuvas fortes que se fizeram sentir no país nos últimos dias.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.