Jornal Diário Jornal das 13

PM da Guiné-Bissau apresenta pedido de demissão ao PR

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Bissau, 12 jan (Lusa) -- O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, anunciou hoje na sua página na rede social Facebook, que apresentou o pedido de demissão do cargo ao Presidente guineense, José Mário Vaz.

No texto, Embaló, de 46 anos, não especificou os motivos para o pedido de demissão, apenas referiu ter apresentado hoje ao chefe do Estado guineense a segunda carta naquele sentido, depois de o já ter feito no passado dia 06 de dezembro.

"Agradeço vivamente o Presidente da República, os membros do Governo, com os quais trabalhei durante 15 meses", indicou Umaro Sissoco Embaló que afirma ser fiel aos partidos e deputados que o apoiaram.

Embaló afirmou, igualmente no Facebook que, olhando pela história, em 20 anos, nunca os doadores se mostraram satisfeitos com um governo, numa referência ao desempenho da sua equipa.

Também hoje, o jornal guineense O Democrata, na sua edição 'online' noticiou que o primeiro-ministro entregou ao Presidente guineense a carta de demissão do cargo, citando várias razões que teriam motivado Embaló.

Segundo O Democrata, o primeiro-ministro "não digeriu bem" a posição do chefe do Estado nos incidentes com dois ministros do seu governo, João Fadiá, das Finanças, e Botche Candé, do Interior.

O jornal afirma que Umaro Embaló considerou que José Mário Vaz esteve do lado dos seus ministros.

A Lusa tentou infrutiferamente confirmar o pedido de demissão com o próprio Embaló e com a Presidência da República.

MB // EL

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Epidemia de cólera mata cerca de 100 pessoas na Nigéria

Uma epidemia de cólera matou quase 100 pessoas nas últimas duas semanas no nordeste da Nigéria, uma região devastada pelas ações do grupo extremista Boko Haram, informou este sábado a ONU.

Trabalhadores do McDonald's fizeram greve nos EUA contra o assédio sexual

Trabalhadores do McDonald's realizaram, na terça-feira, em dez cidades norte-americanas, uma greve laboral contra o assédio sexual na empresa, em consonância com o movimento #MeToo.

Chuvas na Nigéria provocam 100 mortos, autoridades estimam que número aumente

As autoridades nigerianas afirmaram que 100 pessoas morreram devido às inundações provocadas pelas chuvas fortes que se fizeram sentir no país nos últimos dias.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.