Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Trump prescinde de sanções e mantém vigência do acordo nuclear com o Irão

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Washington, 12 jan (Lusa) - O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manteve hoje a vigência do acordo nuclear com o Irão, confirmando uma moratória às sanções contra Teerão, indicou a Casa Branca, sublinhando que esta "foi a última vez".

Trump tem vindo a anunciar que vai "rasgar" o acordo de 2015 - assinado entre o Irão, os EUA, a Rússia, a China, o Reino Unido, a França e a Alemanha - que pôs fim às sanções contra Teerão em troca de uma limitação ao programa nuclear iraniano.

A administração norte-americana terá de tomar nova decisão sobre se prescinde ou não das sanções contra Teerão em 60 dias. Até lá, disse um alto responsável dos EUA, Washington pretende "trabalhar com os parceiros europeus" sobre novos termos do acordo, para endurecer as condições do texto de 2015.

Três altos responsáveis citados pela agência Associated Press (AP) indicaram ao longo da tarde de hoje que, apesar de prescindir de aplicar as sanções, Trump também deixou uma ameaça de que vai mesmo sair do acordo se não houver uma renegociação dos termos até à primavera.

NVI // EL

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Cunhado do rei de Espanha apresenta-se na prisão para cumprir pena

O cunhado do rei de Espanha, Iñaki Urdangarin, ingressou esta segunda-feira de manhã na prisão de Brieva, informou fonte dos serviços prisionais espanhóis às agências de notícias EFE e France-Presse.

Primeiros migrantes do Aquarius chegaram ao porto de Valência, em Espanha

Os primeiros migrantes socorridos pelo navio Aquarius, da organização não-governamental SOS Mediterranée, começaram este domingo a chegar ao porto de Valência, em Espanha, revelaram as agências internacionais.

Pessoas que desempenharam altos cargos envolvidas na tentativa de subversão - PM são-tomense

Lisboa, 22 jun (Lusa) -- O primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada, disse hoje que o objetivo do grupo que queria "interromper o funcionamento regular da ordem constitucional" era assassiná-lo num ato público e que estarão envolvidas pessoas que "já desempenharam altos cargos no país".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.