Jornal Diário Jornal das 13

Autarcas do Douro contestam lei que impõe timing impossível de cumprir

| Norte
Porto Canal com Lusa

Alijó, Vila Real, 11 jan (Lusa) -- A Comunidade Intermunicipal (CIM) do Douro quer esclarecimentos sobre a lei de prevenção de incêndios por impor um "timing impossível de cumprir" para a limpeza de terrenos junto a casas e fazer "uma ameaça infantil" aos municípios.

"Há questões que carecem de esclarecimento, que carecem de que o Governo seja mais explícito. Nós não conseguimos perceber os timings, ter tudo pronto nos timings que estão definidos é completamente incomportável e inexequível", afirmou Carlos Silva, presidente da CIM Douro e da Câmara de Sernancelhe.

Os representantes dos 19 municípios da CIM Douro, reunidos hoje em Alijó, distrito de Vila Real, analisaram a nova lei, que impõe uma retenção de 20% das transferências correntes do Fundo de Equilíbrio Financeiro (FEF) se as autárquicas não cumprirem, até 31 de maio, com a limpeza de faixas de gestão de combustível para prevenir incêndios em torno das casas, estradas, fábricas e linhas de energia, devendo substituir-se aos proprietários.

Segundo o estipulado no orçamento do Estado para 2018, os proprietários têm até 15 março para proceder à limpeza e, depois, se não cumprirem, caberá aos municípios concretizar então esta medida em dois meses e meio.

As câmaras terão também que proceder à atualização dos planos municipais de defesa da floresta contra incêndios até 31 de março.

"Os municípios já estão a fazer o seu trabalho no terreno, independentemente desta lei existir ou não existir (...)É impossível concretizar todas as ações em termos legais nos timings que estão definidos", salientou Carlos Silva.

Para o autarca, os cortes nas transferências do FEF previstos na lei "são ameaças infantis" e não é, na sua opinião, uma "atitude democrática" e "correta".

"A redução do FEF como consequência por não conseguirmos neste timing tão reduzido implementar todas as regras a que o regulamento obriga, não é prejudicar o autarca, não é prejudicar os vereadores nem a Câmara Municipal, é prejudicar cada uma das pessoas deste território", afirmou.

Carlos Silva referiu que a nova regulamentação parece ter sido feita por alguém que "não conhece a gestão autárquica" e que "não conhece as regras de contratação pública".

O presidente alertou ainda para o facto de o cadastro não estar feito e que, por isso, muitas vezes não se conhecem os proprietários dos terrenos.

PLI // MSP

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Hospital de São João quer aproveitar projeto antigo para novo Centro Pediátrico

O Centro Hospitalar de São João, no Porto, está a "auscultar os serviços jurídicos" sobre a possibilidade de poder aproveitar o projeto existente para a construção do novo Centro Pediátrico, anunciou hoje o presidente da administração daquele hospital.

Ministério Público está a investigar o caso dos dois doentes em isolamento numa instituição em Bragança

O Ministério Público está a investigar o caso dos dois doentes que estão em isolamento há vários anos numa instituição em Bragança. O caso foi denunciado pelo Porto canal há dois meses. Depois disso, quase nada foi feito apesar da própria instituição pedir mais formação para lidar com os doentes, as entidades responsáveis continuam a dizer que os utentes vivem em condições adequadas.

100 semáforos geridos pela Metro do Porto em Matosinhos não têm sinal sonoro

Há 100 semáforos geridos pela Metro do Porto no concelho de Matosinhos que não têm avisos sonoros. A funcionalidade vai começar a ser instalada, uma vez que os sinais sonoros são indispensáveis para os invisuais.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.