Jornal Diário Jornal das 13

Construção das barragens do Alto Tâmega vai afetar cerca de 50 casas

| País
Porto Canal com Lusa

Ribeira de Pena, Vila Real, 14 nov (Lusa) -- A construção das três barragens do Alto Tâmega vai afetar cerca de 50 casas e obrigar à transladação de duas pontes de arame, segundo informou hoje a concessionária Iberdrola.

Sara Hoya, responsável ambiental da Iberdrola, disse aos jornalistas que o empreendimento vai afetar cerca de 50 casas e adiantou que, até ao momento, seis famílias já saíram das suas habitações por razões de segurança devido à proximidade à frente de obra em Ribeira de Pena e Vila Pouca de Aguiar.

O concelho mais afetado é Ribeira de Pena, que concentra cerca de 90% das habitações de onde as famílias terão de sair até ao final da construção do Sistema Eletroprodutor do Tâmega.

Neste concelho também a emblemática ponte de arame sobre o rio Tâmega vai ter de ser removida e recolocada em outro lugar.

Esta ponte de arame foi, até 1963, a única travessia entre as aldeias de Salvador e Santo Aleixo e é hoje uma importante atração turística. Tem mais de 20 metros de comprimento e está suspensa em mais de 100 cabos de arame torcido.

Segundo Sara Hoya, esta estrutura será recolocada num dos braços que vai ter a albufeira, perto do local onde se encontra atualmente.

Na mesma situação está uma outra ponte de arame que liga as aldeias de Monteiros, em Vila Pouca de Aguiar, e Veral, em Boticas, a qual vai ser atingida pela subida das águas e vai ser transladada.

Em Vila Pouca de Aguiar, arqueólogos estudaram e descobriram pinturas antigas num dos dólmenes da Chã das Arcas, uma descoberta que levou à remoção de peças do monumento desta área que ficará submersa pela barragem de Gouvães.

A Iberdrola está obrigada à concretização de medidas de minimização dos impactos e a uma monitorização constante da área afetada pelo empreendimento e, por isso, pelo terreno espalharam-se equipas de 17 arqueólogos e 30 biólogos, entre outros técnicos.

As medidas de compensação incluem ainda manutenções florestais e a reflorestação com cerca de 250.000 plantas.

A responsável falava à margem da apresentação do Plano de Ação Socioeconómico, assinado com as sete câmaras envolvidas nos projetos, que destina cerca de 50 milhões de euros para o desenvolvimento económico, social e cultural da região onde estão a ser construídas as barragens.

O empreendimento está a ser muito contestado pelos movimentos ambientalistas.

"A Iberdrola está a cumprir o estabelecido. É um projeto muito grande, que tem uma grande área de abrangência e é normal que tenha impactos ambientais, mas nós estamos a tentar minimizar da melhor forma possível, a tentar compensar", sublinhou Sara Hoya.

O Sistema Eletroprodutor do Tâmega é um dos maiores projetos hidroelétricos realizados na Europa nos últimos 25 anos, contemplando a construção de três barragens (Daivões, Gouvães e Alto Tâmega), 1.500 milhões de euros de investimento e a criação de 13.500 empregos diretos e indireto durante o período de maior volume dos trabalhos (2018-2020).

PLI // CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: País

Greve do enfermeiros com adesão nacional entre 75% e 80%

A adesão à greve dos enfermeiros situa-se, hoje de manhã, entre os 75% e os 80%, segundo o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, que admite aumentar os números depois de apurados os dados de algumas grandes instituições.

Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga recebe primeiro Centro de Responsabilidade Integrada

Começou esta quarta-feira a funcionar o primeiro Centro de Responsabilidade Integrada (CRI) do Serviço Nacional de Saúde. Fica instalado no Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga, em Santa Maria da Feira. O novo modelo promete reorganizar internamente os hospitais do SNS para responder melhor às necessidades dos doentes e diminuir as listas de espera.

Associações dos taxistas estimam que 30 mil postos de trabalho estejam em risco

A entrada em vigor da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros coloca em risco 30 mil postos de trabalho no setor do táxi, avançaram hoje as associações que representam os taxistas, exigindo “concorrência leal”.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.