Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Vinho licoroso "Sol Engarrafado" renasce na Figueira da Foz ao fim de 40 anos

| País
Porto Canal com Lusa

Figueira da Foz, Coimbra, 14 nov (Lusa) - O vinho licoroso "Sol Engarrafado", que começou a ser distribuído na Figueira da Foz, em 1950, pelo proprietário de um armazém de vinhos, já falecido, renasce agora e quer ser emblema do município, disse hoje o promotor.

"Queremos que o 'Sol Engarrafado' seja um grande embaixador da Figueira da Foz. Agora, quando vamos a algum lado, a nível nacional e internacional, podemos levar o Sol e alguém que venha à Figueira pode daqui levar o nosso Sol também", disse hoje à agência Lusa Lourenço Silva, responsável da empresa Dapaval, promotora da iniciativa.

A história associada ao "Sol Engarrafado" tem mais de 60 anos e começou num antigo armazém de vinhos junto à estação de caminho-de-ferro da cidade, onde Manuel Lopes, o proprietário, ouvia amiúde os visitantes exclamarem que o sol era o melhor que a Figueira da Foz tinha.

Na altura, em inícios da década de 1950, Manuel Lopes chegou a criar uns cartões da casa - onde sobressaíam pipos de vinho, cartazes de promoção turística da época, das festas da cidade e de touradas - para divulgar o negócio junto dos turistas nacionais e estrangeiros que demandavam à então Rainha das Praias de Portugal.

Face às "inúmeras visitas" que recebeu, o proprietário lembrou-se de passar a disponibilizar o licor, produzido em Almeirim, engarrafado no armazém em garrafas personalizadas por si próprio com os ditos cartões, que eram apostos nos recipientes de forma artesanal.

Chamou-lhe "Sol Engarrafado" e o sucesso foi "imediato". "Oferecia sempre um cálice a todos os que o visitavam, nem que lá fossem três ou quatro vezes por dia", lê-se na informação hoje disponibilizada.

O licor sobreviveu até finais da década de 1970, inícios dos anos 80, pela mão e vontade do seu criador, mas não resistiu à morte deste.

Agora, o grupo familiar de distribuição de produtos alimentares, azeites e bebidas - uma empresa com 35 anos de existência, 11 colaboradores e um volume de negócios estimado para 2017 de 2,1 milhões de euros - resolveu relançá-lo comercialmente.

"Eu, nesta vida comercial de vinhos, sabia que havia este dito 'Barca Velha' escondida há longos anos e queria colocá-lo no mercado", ilustrou Lourenço Silva.

Falou com a família, o projeto avançou, foi desenvolvido nos últimos quatro anos e chega agora ao mercado com uma primeira série de 5.000 garrafas, com rótulos modernos, onde sobressai um sol estilizado.

Para além de querer que o licor sobressaia como embaixador da Figueira da Foz, Lourenço Silva pretende que a marca Sol Engarrafado possa vir a patrocinar "clubes recreativos desportivos e culturais e associações que passam por mais dificuldades no concelho".

De acordo com o empresário, a inspiração para a recriação do licor partiu de Isabel João Brites, presidente da Associação Figueira com Sabor a Mar, entidade que promove produtos locais em mostras gastronómicas e outras iniciativas.

"Apelou a que investissem, uns pelos pastéis, outros pelo mundo do sal, outros pelo arroz, para que pudéssemos reviver o que a Figueira da Foz tem de melhor. E nós entendemos que era a altura de apostar no Sol Engarrafado", explicou.

A apresentação pública do vinho licoroso está agendada para sábado, no Casino local, no âmbito da iniciativa "Figueira Doce Figueira", mostra de doces promovida pela associação.

"Pretendemos ajudar a despertar consciências, tudo o que seja para dar uma vida mais glamorosa à Figueira da Foz", disse Isabel João Brites.

Sobre a mostra de doces e pastelaria - que inclui as tradicionais brisas, mas também as brisas marítimas, figueirinhas, penhascos, enguias-doces ou o travesseiro do bispo - a responsável associativa disse que é organizada "para acabar definitivamente com a ideia de que não há nada [de doces] na Figueira da Foz".

"Agora já há bastantes coisas e muitas com qualidade", argumentou.

JLS // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Quercus alerta para "potencial cancerígeno" no material que está a substituir amianto nas escolas

O material que está a substituir o amianto nas escolas é "pontencialmente cancerígeno" e inflamavel. O alerta é da Associação Ambientalista Quercus.

População do Interior sente-se cada vez mais insegura

Nas aldeias portuguesas do Interior, insegurança é maior perderam-se os hábitos de antigamente e, por exemplo, já ninguém sai de casa sem trancar as portas. O Porto Canal foi à aldeia de Povolide em Viseu e constatou isso mesmo.

Número de mortos na sequência de incêndio em Tondela sobe para nove

Um homem morreu hoje no Hospital de São João, Porto, na sequência do incêndio de sábado em Vila Nova da Rainha, Tondela, elevando para nove o número de vítimas mortais do sinistro, disse fonte hospitalar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.