Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Legionella: Marcelo espera que se apurem responsabilidades neste caso, como no de Tancos

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 nov (Lusa) - O Presidente da República considerou hoje que o ministro da Saúde "esteve muito bem" ao pedir desculpas pela 'legionella' no Hospital São Francisco Xavier e afirmou esperar que se "apurem as responsabilidades", neste caso, como no de Tancos.

Em declarações aos jornalistas, no final de uma visita à Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que "é fundamental para tudo, quando há da parte de entidades públicas alguma coisa que falha, depois haver relatórios que apurem as responsabilidades".

Sobre o surto de 'legionella' no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, o chefe de Estado referiu que o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, disse que iriam ser apuradas "essas responsabilidades, porque há vários inquéritos e relatórios a correr que irão dizer aos portugueses o que é que correu mal", e observou: "Eu já tinha tido a mesma posição no caso de Tancos".

Relativamente ao caso das armas desaparecidas dos Paióis Nacionais de Tancos, no distrito de Santarém, o Presidente da República manifestou-se convicto de que " há de aparecer no final, também, no caso de Tancos, quer a nível interno, quer a nível da investigação do Ministério Público, o apuramento daquilo que se passou".

"Portanto, nos domínios mais variados, é evidente que faz sentido que a Administração Pública esteja sujeita ao escrutínio democrático dos cidadãos e não tenha nada a esconder. Faz parte da transparência normal da vida política e administrativa do país", acrescentou.

IEL // JPS

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Lançamento de balões no São João dependentes das condições meteorológicas

A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural disse esta quarta-feira à Lusa que está a acompanhar a evolução das condições meteorológicas “diariamente” e que o período crítico de incêndios pode ser “antecipado ou prorrogado” em função dessas condições.

Assunção Cristas critica renda acessível e é acusada por António Costa de ter causado "calamidade social"

A presidente do CDS-PP questionou esta quarta-feira o primeiro-ministro sobre os preços praticados na "renda acessível" e foi acusada por António Costa de ter provocado consistentemente, apesar dos avisos, uma "calamidade social" com a lei do arrendamento.

Câmara Municipal do Porto decide fazer debate sobre problemas da habitação na cidade

A Câmara Municipal do Porto vai fazer um grande debate sobre os problemas da habitação na cidade com o objetivo de partilhar ideias e encontrar soluções. A iniciativa partiu de Manuel Pizarro mas foi acolhida por todo o executivo camarário.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.