Info

Municípios querem apoio europeu para floresta face às alterações climáticas

| Política
Porto Canal com Lusa

Coimbra, 14 nov (Lusa) -- A aprovação de incentivos da União Europeia a uma floresta adaptada às alterações climáticas e aos incêndios deve ser considerada na revisão da Política Agrícola Comum (PAC), defendeu hoje a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).

"A floresta merece ser incluída no âmbito do processo da revisão da PAC" em curso, disse hoje o presidente do conselho diretivo da ANMP, Manuel Machado, no final de uma reunião preparativa do XXIII Congresso dos municípios portugueses, com capacidade eletiva, que decorrerá em Portimão, no dia 09 de dezembro.

Perante o anunciado "Brexit" -- a saída do Reino Unido da União Europeia -- a preparação do futuro da floresta, em Portugal e restantes Estados-membros da União Europeia, deve ser "considerada no âmbito de programas específicos da Política Agrícola Comum", preconizou.

"A nossa avaliação é conforme esse entendimento", apoiado por diferentes entidades e responsáveis políticos, afirmou o socialista Manuel Machado, frisando que se trata de "uma ideia positiva" que tem sido também defendida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e que é partilhada pela generalidade dos municípios e seus órgãos representativos.

Para o presidente da ANMP e da Câmara Municipal de Coimbra, "as alterações climáticas e a suas consequências nefastas são evidentes", o que foi demonstrado pelos graves incêndios florestais deste ano, em Portugal, que causaram mais de 100 mortos, centenas de feridos e avultados prejuízos na economia, habitações e equipamentos públicos.

"É necessário prepararmo-nos todos, incluindo as autarquias, para darmos o contributo à mitigação dos riscos que têm sido verificados com danos extremamente pesados" para a sociedade, sublinhou.

CSS // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Governo aprova projetos de expansão dos metros de Porto e Lisboa

O Conselho de Ministros aprovou hoje os projetos de expansão dos metros de Lisboa e do Porto, que em conjunto representam um investimento de 517 milhões de euros, 190 milhões dos quais comparticipados com fundos europeus, segundo o Governo.

Governo quer rever condições de acesso ao ensino doméstico

Uma proposta de portaria pretende apertar as regras de frequência para inscrições no ensino doméstico. O número de alunos nesta situação tem vindo a aumentar mas agora o Governo quer rever as condições de acesso.

PS propõe coima de 20 euros por dia a senhorios nos casos de assédio a inquilinos

O grupo parlamentar do PS quer punir os senhorios nos casos de assédio a inquilinos para que desocupem as casas arrendadas, propondo uma coima de 20 euros por dia até que a situação seja corrigida.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.