Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Preços em Angola voltam a acelerar em outubro e deixam inflação acima dos 26%

| Economia
Porto Canal com Lusa

Luanda, 14 nov (Lusa) - A taxa de inflação em Angola acelerou 2,39% entre setembro e outubro, voltando a aproximar-se de máximos de 2017, com o acumulado a 12 meses a subir para acima dos 26%, longe das previsões do Governo para este ano.

De acordo com o relatório mensal do Instituto Nacional de Estatística (INE) angolano sobre o comportamento da inflação, divulgado hoje, trata-se da maior subida mensal do último ano, contrastando com os valores mínimos registados em maio (1,60%) e junho (1,52%).

O pico da inflação mensal em Angola nos últimos anos registou-se em julho de 2016, quando, no espaço de um mês, segundo o INE, os preços registaram um aumento médio de 4%.

Entre janeiro e dezembro de 2016 (12 meses) os preços em Angola subiram praticamente 42%, segundo os relatórios anteriores do INE com o Índice de Preços no Consumidor Nacional (IPCN).

No total de 12 meses, até junho, a inflação acumulada tinha descido para 30,5%, caiu em julho para 27,29% e estabilizou, em agosto e setembro (a um ano), ligeiramente acima dos 25%.

Em outubro, igualmente na contabilização acumulada, a 12 meses, a taxa de inflação atingiu os 26,25%, segundo o IPCN.

A subida de preços em outubro foi influenciada sobretudo pelos setores "Saúde", com 5,061%, "Bens e Serviços Diversos", com 4,03%, "Vestuário e Calçado", com 3,85%, e "Bebidas Alcoólicas e Tabaco", com 3,17%.

O valor da inflação a um ano continua num registo muito superior à previsão de 15,8% para o período entre janeiro e dezembro que o Governo inscreveu no Orçamento Geral do Estado de 2017.

Desde setembro de 2014 que a inflação em Angola não para de aumentar, acompanhando o agravamento da crise económica, financeira e cambial decorrente da quebra na cotação internacional do barril de petróleo bruto, o que fez disparar o custo, nomeadamente dos alimentos.

As subidas de preços no último mês foram lideradas pelas províncias de Luanda (2,98%), Lunda Sul (2,07%), Lunda Norte (1,80%), Cunene (1,77%) e Bengo (1,72%), enquanto na posição oposta figuraram as províncias do Zaire (1,33%), Bié (1,34%), Cabinda (1,38%) e Cuando Cubango (1,50%).

O chefe da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) para Angola, Ricardo Velloso, alertou a 22 de março, em Luanda, para a necessidade de medidas que ajudem a diminuir a elevada inflação que o país ainda apresenta.

A preocupação atual do FMI mantém-se à volta da necessidade de relançar o crescimento económico angolano "de uma maneira duradoura para os próximos anos", além de baixar a inflação mensal dos atuais 2% a 2,5% ao mês para "níveis mais aceitáveis", bem como sobre "como continuar a reforçar o sistema bancário e financeiro do país", explicou o economista.

PVJ // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Viseu, Algarve e Madeira vão ter novos centros de inovação e tecnologia nos próximos meses

Viseu, Algarve e Madeira vão ter novos centros de inovação e tecnologia nos próximos meses. A novidade foi dada a conhecer no 2º aniversário da Altice Labs.

Sindicatos dizem que manifestação contra CTT conta com 2.000 pessoas, polícia aponta 1.500

Os sindicatos afetos aos CTT afirmam que estão cerca de 2.000 pessoas na manifestação contra a atual situação dos Correios, enquanto a polícia aponta para 1.500, disseram à Lusa os responsáveis no local.

Atualizado 24-02-2018 12:03

CTT afirmam que adesão à greve é de 16% e sem impacto no serviço aos clientes

Os CTT afirmaram esta sexta-feira que a adesão à greve é "de 16%" e que a rede de atendimento "mantém-se em funcionamento a 100%, com todas as cerca de 2.300 lojas" e postos "abertos de norte a sul do país e ilhas".

Atualizado 24-02-2018 12:05

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.