Jornal Diário Jornal das 13

Hotelaria cresce em setembro impulsionada por não residentes

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 nov (Lusa) -- A hotelaria registou 2,2 milhões de hóspedes e 6,3 milhões de dormidas em setembro, correspondendo a crescimentos homólogos de 7,9% e 5,1%, contra 5,0% e 3,7% em agosto, respetivamente, segundo o INE.

De acordo com os dados sobre a atividade turística, produzidos pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o grupo dos não residentes impulsionaram a atividade na hotelaria em setembro.

Assim, as dormidas do mercado interno cresceram 1,4% (1,7% em agosto) para 1,6 milhões de dormidas, enquanto as dos mercados externos registaram um aumento de 6,5% (4,8% no mês anterior) para 4,6 milhões de dormidas.

No acumulado dos primeiros nove meses do ano, o mercado interno registou 12,8 milhões de dormidas (uma subida de 3,4%), enquanto os mercados externos geraram 33,4 milhões de dormidas (mais 8,7%).

A estada média (2,82 noites) reduziu-se 2,6% e a taxa de ocupação-cama (63,5%) aumentou 0,9 pontos percentuais.

Os proveitos totais aceleraram para um crescimento de 16% (12,4% em agosto) e atingiram 406,7 milhões de euros.

Os proveitos de aposento atingiram, por sua vez, os 303,1 milhões de euros e também evidenciaram aceleração, com uma subida de 18,6% em setembro (13,1% no mês anterior).

Entre os principais mercados emissores, as dormidas de hóspedes britânicos (24,5% do total das dormidas de não residentes) pouco oscilaram em setembro (caíram 0,2%), mas no conjunto dos primeiros nove meses do ano este mercado cresceu 2,8%, sinaliza o INE.

O mercado alemão retomou a posição de segundo mais relevante (com uma quota de 13,8%), aumentando 4,2% em setembro e 7,7% entre janeiro e setembro.

O mercado francês (com uma quota de 9,6%) manteve a tendência decrescente dos últimos meses (-1,9% em setembro) e recuou 0,1% desde o início do ano.

O mercado espanhol (com uma quota de 8,2%), depois de dois meses em diminuição, voltou a crescer e registou aumentos de 4,5% em setembro e 1,4% nos primeiros nove meses do ano, mas ainda assim não suficientes para se manter como segundo maior mercado, indica o instituto.

Entre os principais países, o INE destaca os crescimentos apresentados em setembro pelos mercados norte-americano (29,9%), italiano (23,4%) e polaco (23,3%), sinalizando ainda que nos primeiros nove meses do ano, sobressaíram as evoluções nos mercados brasileiro (45%), norte-americano (31,4%) e polaco (25,7%).

Em termos regionais, observaram-se aumentos das dormidas em todas as regiões, com destaque para o Centro (16,2%), Açores (12,7%) e Alentejo (11,6%).

As dormidas concentraram-se essencialmente no Algarve (com peso de 36,5%) e Área Metropolitana de Lisboa (22,1%).

Neste mês, destaca, houve um incremento total de 304,4 mil dormidas (face a igual mês do ano anterior), do qual 30,7% foi proveniente do Centro (93,5 mil dormidas adicionais), 17,9% da Área Metropolitana de Lisboa (acréscimo de 54,5 mil dormidas) e 16,1% do Algarve (49 mil dormidas acrescidas).

No período de janeiro a setembro todas as regiões apresentaram crescimentos, salientando-se as evoluções registadas nos Açores (17,1%) e Centro (13,5%).

ICO// ATR

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Altice acusa Bruxelas de "ilegalidades" e "erros de facto" em multa sobre controlo da PT

A Altice acusou hoje a Comissão Europeia de ter cometido "ilegalidades" e "erros de facto" na decisão de multar a operadora em 125 milhões de euros pela concretização da compra da PT antes da autorização de Bruxelas.

Taxistas insistem que mantêm protesto até serem recebidos pelo Governo

Os taxistas continuam este sábado parados, pelo quarto dia consecutivo, e determinados a manter o seu protesto até serem recebidos pelo Governo, disse hoje Florêncio Almeida, da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros de Passageiros (ANTRAL).

Centeno diz que será cumprido défice de 0,7% do PIB este ano

O ministro das Finanças disse hoje que será cumprido este ano o défice previsto de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB), uma vez que não se repetirão os efeitos que penalizaram o saldo das contas públicas no primeiro semestre.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.