Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

China registou 68 mil novos casos de SIDA no primeiro semestre deste ano

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Pequim, 14 nov (Lusa) - A China registou quase 68 mil novos casos de infeção com o vírus da SIDA entre janeiro e junho deste ano, elevando para 718 mil o número total de infetados, segundo dados oficiais divulgados hoje.

Trata-se de um aumento de 8,5%, face ao mesmo período do ano passado, segundo números do Centro Chinês para o Controlo de Doenças, citados pelo jornal oficial China Daily.

A SIDA, outrora encarada na China como uma "doença de estrangeiros", fruto de "um estilo de vida capitalista e decadente", fez a primeira vítima no país em 1985.

Até ao final de 2015, matou 177.000 pessoas na nação mais populosa do mundo, com cerca de 1.375 milhões de habitantes.

As relações sexuais continuam a ser a principal via de transmissão da doença e têm assumido uma proporção crescente entre os novos casos de infeção, segundo os dados citados pelo China Daily.

Em 2010, cerca de 12% das infeções resultavam de relações homossexuais. Entre janeiro e junho deste ano, a proporção fixou-se em 25,6%.

Homens mais velhos tornaram-se também um grupo mais vulnerável, com o número de casos envolvendo homens com 60 anos ou mais a triplicar desde 2010, para 16.505.

"Hoje, mais idosos têm tempo livre para se divertirem (...) o que lhes dá mais oportunidades para encontrarem parceiros", afirmou Gao Fu, diretor do Centro Chinês para Controlo de Doenças, citado pelo jornal.

O primeiro surto de SIDA na China aconteceu em meados dos anos 1990, na província de Henan. Centenas de milhares de camponeses pobres ficaram infetados, devido a um esquema ilegal de comércio de sangue.

O sangue de diferentes origens era misturado e, depois de extraído o plasma para ser vendido à indústria de biotecnologia, injetado de novo nos camponeses, para evitar anemias.

Até então, a maioria dos poucos casos oficialmente conhecidos na China dizia respeito a chineses que tinham trabalhado fora do país.

JOYP //ISG

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Justiça alemã extradita Puigdemont, mas apenas por delito de peculato

O tribunal alemão de Schleswig-Holstein decidiu hoje extraditar para Espanha o ex-presidente catalão Carles Puigdemont por um alegado delito de peculato (desvio de fundos), mas não pelo crime de rebelião, segundo a agência Efe.

Tailândia: Todos os rapazes e treinador retirados da gruta

Todos os 12 jovens jogadores de futebol e o treinador que ficaram há duas semanas encurralados numa gruta no norte da Tailândia estão a salvo, segundo as autoridades tailandesas.

MNE britânico Boris Johnson demitiu-se

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, anunciou a sua demissão, confirmou fonte do governo, horas depois da demissão do ministro para o 'Brexit', David Davis.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.