Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Festival de Artes Performativas apresenta espetáculos na Covilhã e Castelo Branco

| País
Porto Canal com Lusa

Covilhã, Castelo Branco, 13 nov (Lusa) - O "Y - Festival de Artes Performativas" apresentará nas cidades da Covilhã e Castelo Branco, entre 23 de novembro e 02 de fevereiro de 2018, dez espetáculos de música, teatro, dança e performance, anunciou hoje a organização.

"Queremos dar visibilidade às diferentes disciplinas artísticas e fizemo-lo de uma maneira mais ou menos equilibrada, [pelo que teremos] quatro espetáculos de dança, quatro de teatro, um de música e outro que é dividido entre o teatro e a dança", referiu Rui Sena, da Quarta Parede, associação com sede na Covilhã, distrito de Castelo Branco, que realiza este certame há 13 anos.

Destacando o "grande esforço" que tem sido feito para "manter vivo" este festival, Rui Sena também frisou a importância de este se realizar em cidades do Interior do país.

No que concerne à programação, o "Y - Festival de Artes Performativas" continuará a aliar o cruzamento das diferentes disciplinas artísticas com uma aposta nos novos criadores de arte contemporânea em Portugal e tem ainda a preocupação de integrar estruturas da região.

O festival conta ainda um eixo de programação artística pedagógica, denominado "Y - Públicos", que integra encontros/reflexões entre espetadores e artistas, num conjunto de iniciativas que procuram afirmar o público como elemento participante, conforme referiu Sílvia Pinto Ferreira, assistente de programação.

Estão ainda previstas oficinas dramatúrgicas e ações de formação destinadas quer ao público em geral, quer para o público estudantil, desde o pré-escolar ao ensino superior.

Uma das ações prevê um encontro entre seniores e jovens, e outra desenvolver-se-á nas escolas do ensino pré-escolar, com especial incidência nas instituições que estão fora do núcleo urbano da cidade.

Nesta edição, optou-se também por estender a programação entre novembro e fevereiro, de modo a evitar uma oferta concentrada no tempo que, por motivos de agenda ou até mesmo económicos, pudesse dificultar a distribuição dos espetadores pelas diferentes apresentações.

Os espetáculos na Covilhã serão apresentados no auditório do Teatro das Beiras e a programação arranca no dia 23, às 21:30, com "Noiserv", seguindo-se, no dia 29, à mesma hora, o espetáculo "Canas 44" pela Amarelo Silvestre.

No dia 05 de dezembro, às 14:30, realce para a apresentação de "Viúva Papagaio", por Graça Ochoa e Alberto Carvalhal, e, no dia 07, às 21:30, a Companhia Paulo Ribeiro apresenta "Um solo para a Sociedade".

A 16 de janeiro de 2018, às 14:30, Pé de Pano apresenta o espetáculo "Danças a Nascer" e, no dia 18, às 21:30, Hotel Europa sobe ao palco com "Portugal Não é um País Pequeno".

Para dia 27 de janeiro, às 21:30, está marcado o espetáculo "Adapted to Y&Y", de João Cardoso & Victor Gomes, e Mafalda Saloio apresenta "Brisa ou Tufão", no dia 31 de janeiro, às 21:30.

Em Castelo Branco, as apresentações são às 21:30 no Cine-Teatro Avenida e estão marcadas para dia 19 de janeiro e 02 de fevereiro, respetivamente com Rui Horta e o espetáculo "Vespa" e com Mafalda Saloio e o espetáculo "Brisa ou Tufão".

O orçamento desta 13.ª edição do "Y - Festival de Artes Performativas" é de 55 mil euros e conta com o apoio da Direção Geral das Artes e das Câmaras da Covilhã e de Castelo Branco.

O bilhete para o espetáculo de Noiserv custa 10 euros, com desconto de 50% para menores de 25 e maiores de 65 anos, estudantes e profissionais do espetáculo. Para os restantes espetáculos, o preço é de seis euros, sujeito aos mesmos descontos.

CYC // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Limitação informática trava consultas no Serviço Nacional de Saúde

Uma limitação no sistema informático está a impedir o cumprimento das regras definidas para agilizar o regime das Consultas a tempo e horas no Serviço Nacional de Saúde. O alerta é da Entidade Reguladora da Saúde que garante que este é um dos principais problemas do sistema de saúde público.

Pedrógão Grande: Sessenta e seis mortos, mais de 250 feridos e 500 casas destruídas

O incêndio que deflagrou há seis meses no concelho de Pedrógão Grande e que alastrou a concelhos vizinhos fez 66 mortos e 253 feridos, sete dos quais graves, destruiu meio milhar de casas e quase 50 empresas.

Emigrantes regressam a Portugal para passar o natal

Com o Natal à porta é hora dos milhares de portugueses que vivem lá fora regressarem para junto da família.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS