Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Legionella: Parlamento decide por unanimidade ouvir ministro da Saúde e DGS no dia 29

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 nov (Lusa) - A Comissão de Saúde da Assembleia da República decidiu hoje, por unanimidade, ouvir no dia 29 um conjunto de responsáveis públicos sobre o problema da 'legionella' no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, e em termos nacionais.

Vão ser ouvidos no parlamento o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, a administradora do Hospital Francisco Xavier, Rita Perez, e um responsável do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, disse à Lusa o presidente da Comissão de Saúde, José Matos Rosa.

José Matos Rosa referiu que hoje, após a audição do ministro da Saúde sobre o Orçamento do Estado para 2018, convocou uma reunião de coordenadores da Comissão de Saúde para discutir o tema da 'legionella', na qual estas audições foram decididas "com o acordo de todos os grupos parlamentares".

A data de 29 de novembro foi escolhida tendo em conta que nessa altura já será conhecido o relatório pedido pelo ministro Adalberto Campos Fernandes, adiantou.

"Aí, já estaremos habilitados. Só não fazemos mais cedo estas audições por falta do relatório e por causa do debate do Orçamento do Estado para 2018", justificou o presidente da Comissão de Saúde e deputado do PSD.

Matos Rosa frisou, no entanto, que o objetivo é também "fazer um ponto da situação em termos nacionais", e não só discutir os casos ocorridos no Hospital São Francisco Xavier, onde já 48 pessoas foram infetadas com 'legionella'.

IEL // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Tancos: Governo sublinha que esclarecimentos só podem ser dados por Ministério Público

O Ministério da Defesa afirmou este domingo que cabe ao Ministério Público dar esclarecimentos sobre a investigação a Tancos, concordando com o Presidente da República de que esta não pode ser prejudicada por qualquer questão entre as entidades policiais envolvidas.

Professores só aceitam negociar recuperação dos nove anos, quatro meses e dois dias

O secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) disse hoje que o Governo tem de se convencer que os docentes apenas aceitam negociar a recuperação integral dos nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.