Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

MNE está a prestar apoio consular a casal detido na Austrália mas lembra respeito pela lei de Timor-Leste

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 13 nov (Lusa) -- O ministro dos Negócios Estrangeiros indicou hoje que Portugal está a prestar apoio consular aos dois cidadãos portugueses que fugiram de Timor-Leste e foram detidos na Austrália, mas lembrou também o "escrupuloso respeito" pelo sistema judicial timorense.

Numa conferência de imprensa à margem de uma reunião de chefes de diplomacia da União Europeia, Augusto Santos Silva confirmou que "estão neste momento detidos em Darwin dois cidadãos portugueses, Tiago Guerra e Fong Guerra, sua mulher", e apontou que, "a partir do momento" em que o Estado português teve conhecimento da situação, ativou o mecanismo de proteção consular.

"Nós não temos consulado em Darwin e portanto é o cônsul honorário de Portugal em Darwin que está a fazer o favor de prestar o apoio consular devido a estes cidadãos, sob orientação, evidentemente, do nosso consulado em Sidney", precisou.

O ministro sublinhou diversas vezes que "o apoio consular é um dever do Estado português e um direito dos cidadãos portugueses, independentemente da situação jurídica em que esses cidadãos se encontrem".

"Confirmo também que esses dois portugueses, que aguardavam que um tribunal superior de Timor-Leste processasse o recurso que interpuseram face a uma sentença judicial de primeira instância, eram titulares e são titulares de um passaporte português", disse, especificando que ambos renovaram os respetivos cartões de cidadão no início deste ano, e mais recentemente pediram e foi-lhes emitido passaporte português.

O ministro apontou que os dois cidadãos não teriam "documentos de viagem para a Austrália, e portanto a sua entrada se fez por via ilegal, e por isso mesmo é que estão detidos".

Santos Silva assegurou que o Ministério dos Negócios Estrangeiros "está a lidar com esta situação seguindo sempre os três princípios que formam a sua atuação: respeito escrupuloso pela lei portuguesa; respeito escrupuloso pela lei internacional e pela lei e o sistema de justiça de Estados terceiros; e, em terceiro lugar, procurando dar todo o apoio legal possível aos cidadãos portugueses, onde quer que eles estejam e o que quer que eles tenham feito".

"O que vai acontecer à situação dos dois portugueses que se encontram detidos em Darwin depende, ´prima facie´ (antes do mais), da decisão das autoridades australianas e de decisões de autoridades de Timor-Leste", disse, afirmando então que, enquanto ministro dos Negócios Estrangeiros, não pode comentar o processo em curso num sistema judicial de um país terceiro.

"O respeito pela lei e o sistema judicial de Estados terceiros leva-me, enquanto MNE, a não fazer nenhuma espécie de comentário sobre o processo judicial que corre em Timor-Leste contra estes cidadãos portugueses", apontou.

Sobre a petição que já deu entrada na Assembleia da República, a reclamar que "o Governo de Portugal intime o Governo de Timor-Leste para que este processo seja transferido para Portugal, uma vez que o sistema judicial timorense tem provado ser incapaz de lidar com um caso como este", disse que respeita as petições, mas também o sistema judicial de outros países.

"Eu respeito as petições que os cidadãos decidem apresentar e respeitarei também, evidentemente, o debate e eventuais pronúncias sobre essa petição que a Assembleia da República venha a fazer. Repito: enquanto ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal eu não me pronuncio sobre aspetos, sobre lei e sistema judicial de outros países", declarou.

"Digo em relação a este caso o mesmo que disse em relação a outros: confio que na tramitação do caso, segundo a lei e no quadro das instituições do Estado soberano em causa, justiça seja feita", acrescentou.

Por fim, questionado sobre se receia um conflito diplomático, disse esperar "que não, porque não há aqui nenhuma relação de Estado a Estado".

"Da mesma forma que um Estado sabe cuidar dos seus nacionais e prestar-lhes apoio legal consular quando eles necessitam, da mesma forma um Estado compreende que outro Estado o faça", argumentou.

Os portugueses Tiago e Fong Fong Guerra, condenados em Timor-Leste a oito anos de prisão por peculato, fugiram do país e estão detidos em Darwin, no Território Norte da Austrália onde entraram ilegalmente de barco, confirmou fonte consular à Lusa.

Fonte do Australian Border Force (ABF) confirmou que dois portugueses tinham entrado ilegalmente no país, escusando-se a prestar informações adicionais sobre a sua identidade ou sobre o processo.

A 24 de agosto um coletivo de juízes do Tribunal Distrital de Díli condenou o casal de portugueses Tiago e Fong Fong Guerra a oito anos de prisão efetiva e uma indemnização de 859 mil dólares por peculato.

O tribunal declarou os dois arguidos coautores do crime de peculato e absolveu-os pelos crimes de branqueamento de capitais e falsificação documental de que eram igualmente acusados.

O casal, que recorreu da sentença, pedindo a absolvição e considerando que esta "padece de nulidades insanáveis" mais comuns em "regimes não democráticos", baseando-se em provas manipuladas e até proibidas, estava submetido a apresentações semanais junto das autoridades timorenses.

ACC (ASP) // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Ratko Mladic condenado a prisão perpétua

O Tribunal Penal Internacional para-a ex-Jugoslávia (TPI-J) condenou hoje o antigo chefe militar sérvio-bósnio Ratko Mladic a prisão perpétua por genocídio, crimes de guerra e crimes contra a Humanidade cometidos na guerra da Bósnia (1992-1995).

Informação de milhões de clientes da Uber em todo o mundo foi pirateada

O presidente executivo da Uber revelou hoje que os dados de 57 milhões de utilizadores em todo o mundo foram pirateados no final de 2016.

Atentado no nordeste da Nigéria faz pelo menos 50 mortos

MaidugPelo menos 50 pessoas morreram num atentado suicida numa mesquita no nordeste da Nigéria, disse o porta-voz da polícia do estado de Adamawa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS