Jornal Diário Jornal das 13

Número de mortos do sismo na fronteira Irão-Iraque sobe para 344

| Mundo
Porto Canal com Lusa

O número de vítimas do terramoto registado no domingo na fronteira entre o Irão e o Iraque subiu para 344 mortos e vários milhares de feridos, informaram as autoridades locais.

O maior número de mortos concentra-se no Irão, onde o balanço provisório tem vindo a aumentar com o passar das horas, elevando-se a 336 mortos e mais de 3.950 feridos ao final da manhã, todos na província ocidental de Kermanshah.

No vizinho Iraque, o número oficial de vítimas é de oito mortos e 321 feridos.

Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), o sismo foi registado às 18:18 de Lisboa na fronteira entre o Iraque e o Irão.

Depois de inicialmente ter colocado o epicentro do sismo no lado iraquiano da fronteira, o USGS colocou-o hoje - assim como o seu homólogo iraniano - no Irão, perto da fronteira, cerca de 50 quilómetros a norte de Pol-e Zaham, a cidade mais afetada, com 236 mortos.

Inicialmente, o USGS indicou uma magnitude de 7,2.

O terramoto foi sentido até à costa mediterrânica.

A província iraniana de Kermanshah fica situada nas montanhas Zagros, que dividem o Irão e o Iraque.

Os residentes naquela zona rural subsistem maioritariamente da agricultura.

O Irão situa-se numa zona sísmica onde ocorrem sismos quase diariamente.

Em dezembro de 2003, um sismo destruiu a cidade histórica de Bam no Irão, na província de Kerman (sudeste). Pelo menos 31 mil pessoas morreram.

Em abril de 2013, o Irão sofreu dois sismos de magnitude 6,4 e de 7,7, o pior abalo desde 1957 naquele país. Os dois causaram cerca de 40 mortos no Irão e no vizinho Paquistão.

Em junho de 1990, um terramoto de magnitude 7,4 no Irão, perto do Mar Cáspio (norte), causou 40 mil mortos, mais de 300 mil feridos e deixou desalojados 500 mil pessoas. Uma área de 2.100 quilómetros, composta por 27 cidades e 1.871 aldeias espalhadas pelas províncias de Ghilan e Zandjan, foi devastada numa questão de segundos.

+ notícias: Mundo

Trabalhadores do McDonald's fizeram greve nos EUA contra o assédio sexual

Trabalhadores do McDonald's realizaram, na terça-feira, em dez cidades norte-americanas, uma greve laboral contra o assédio sexual na empresa, em consonância com o movimento #MeToo.

Chuvas na Nigéria provocam 100 mortos, autoridades estimam que número aumente

As autoridades nigerianas afirmaram que 100 pessoas morreram devido às inundações provocadas pelas chuvas fortes que se fizeram sentir no país nos últimos dias.

Mais de 600 estradas bloqueadas em Hong Kong após passagem do tufão Mangkhut

Mais de 600 estradas estão bloqueadas em Hong Kong devido aos destroços provocados pela passagem do tufão Mangkhut, no domingo, que deixou mais de 200 feridos naquele território, noticiou hoje um jornal local.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.