Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

FMI defende que Portugal deve aproveitar recuperação económica para reduzir dívida

FMI defende que Portugal deve aproveitar recuperação económica para reduzir dívida
| Economia
Porto Canal com Lusa

O Fundo Monetário Internacional (FMI) defende que os países europeus com dívidas públicas, como Portugal, devem aproveitar a recuperação económica para criar 'almofadas' orçamentais e reduzir o endividamento.

"Os decisores políticos devem tirar vantagem das perspetivas positivas para reconstruir 'almofadas' orçamentais e desenvolver a capacidade de a economia crescer e absorver choques", aconselha o FMI no relatório de outono sobre as perspetivas económicas da Europa para 2017, divulgado hoje.

Para o Fundo, países como a Bélgica, França, Itália, Espanha, Reino Unido e Portugal, que têm ainda dívidas elevadas, mas onde a economia está a recuperar, deviam "gradualmente reconstruir espaço de manobra e colocar a dívida numa trajetória descendente".

A instituição liderada por Christine Lagarde considera que esta política "é particularmente importante" para este conjunto de países, até porque, alerta, as taxas de juro "provavelmente vão subir".

Ao mesmo tempo, e para todos os países europeus (e não apenas aqueles com uma dívida pública elevada), o FMI defende que a política orçamental "pode ser mais amiga do crescimento e da distribuição" de rendimentos.

"Fazer com que a despesa pública seja mais eficiente e orientada ao crescimento, ao mesmo tempo que se desenha uma política fiscal que apoie a criação de emprego e o crescimento da produtividade, pode fortalecer as fundações da recuperação económica e suportar o potencial de crescimento no médio prazo", afirma o Fundo no relatório.

O FMI estima que a economia europeia cresça 2,4% este ano e 2,1% no próximo, uma recuperação que, afirma, tem impactos positivos no resto do mundo, mas cuja sustentabilidade "continua em dúvida".

"No longo prazo, é provável que as tendências demográficas adversas e a produtividade ainda subjugada possam atrasar o crescimento", admite o Fundo.

Nesse sentido, aconselha "mais progresso" nas reformas estruturais para aumentar a produtividade e defende que a limpeza dos ativos dos bancos "continua uma prioridade".

+ notícias: Economia

Desemprego registado cai 16% em janeiro em termos homólogos e sobe 2,9% face a dezembro

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 16% em janeiro, face a igual mês de 2017, para 415.539 pessoas, subindo 2,9% (11.768) face ao mês anterior, segundo dados divulgados esta quarta-feira pelo IEFP.

Ryanair espera crescimento de 6% em Portugal este ano e cria 14 novas rotas

A companhia aérea Ryanair estima um crescimento de 6% em Portugal a partir do final deste ano, altura em que vai lançar 14 rotas para os cinco aeroportos do país, visando transportar 11 milhões de passageiros por ano.

Prestações de desemprego cairam 13,1% em janeiro, abrangendo 192.331 pessoas

O número de desempregados a receber subsídios caiu 13,1% em janeiro, face ao mesmo mês do ano passado, e subiu 3,8% relativamente a dezembro de 2017, para os 192.331, divulgou esta terça-feira a Segurança Social.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.