Info

Guiné Equatorial/Eleições: Oposição acusa CPLP de ter "vendido" entrada do país

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Malabo, 11 nov (Lusa) - Os principais líderes da oposição na Guiné Equatorial que concorrem nas eleições legislativas de domingo acusaram hoje a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) de ter aceitado "vender" o lugar de país-membro ao Presidente Teodoro Obiang.

"O que houve foi uma venda de um lugar e Obiang pagou a alguém", disse à Lusa Andrés Esono Ondo, líder da Convergência para a Democracia Social (CPDS) e um dos dirigentes da coligação Juntos Podemos que concorre nas eleições legislativas e autárquicas de domingo.

Gabriel Obiang Obono, líder do Cidadãos pela Inovação, concorda com esta análise: "a CPLP foi comprada para permitir a entrada da Guiné Equatorial".

Acusado de vários atentados contra os direitos humanos e de não respeitar os direitos políticos da oposição, ao governo de Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, no poder desde 1979, foram impostas apenas três condições de entrada no roteiro aprovado em 2010: colocar o português como língua oficial, promover o ensino do idioma e acabar com a pena de morte.

Até ao momento, apenas está concluído o processo de elevação do português a língua oficial. A pena de morte continua legal, apenas suspensa na sua execução graças a uma moratória assinada pelo Presidente, e não existem quaisquer estruturas oficiais de ensino do português.

"Não sei como é que a CPLP aceitou a Guiné, um Estado ditatorial que não respeita o direito internacional", lamentou Gabriel Obiang Obono, líder de um movimento que nasceu em Espanha, entre guineenses exilados e descontentes com a situação do país.

Andrés Esono Ondo salienta que o Presidente quer obter "protagonismo e reconhecimento político internacional", pelo que a CPLP foi "mais um meio" para esse fim.

Por isso, em 1998 também elevou o francês a língua oficial para entrar na Francofonia mas o seu uso é inexistente entre a população, nem sequer nas zonas fronteiriças com o Gabão ou com os Camarões.

Depois "tentou entrar na Organização dos Estados Ibero-americanos mas falhou porque lá existem critérios democráticos, ao contrário do que aconteceu na CPLP. Aí, ele (Obiang) pagou a entrada", acusou Esono Ondo.

A Guiné Equatorial é um dos países mais ricos de África, apesar da sua pequena dimensão. Como terceiro maior produtor de petróleo, o país tem atraído muito investimento estrangeiro que tem recuado após a queda dos preços do crude.

Os anos sucessivos de recessão devido à dependência quase total do petróleo levaram o país a discutir com o Fundo Monetário Internacional um programa de assistência cujos contornos ainda não foram divulgados.

PJA // EL

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Freiras desviaram fundos de escola católica para jogar em Las Vegas

Duas freiras norte-americanas admitiram terem desviado fundos escolares estimados em 500 milhões de dólares para realizarem viagens aos casinos de Las Vegas, anunciou na segunda-feira a arquidiocese de Los Angeles.

Brexit: Tribunal Europeu decidiu que Reino Unido pode revogar o acordo unilateralmente

O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) decidiu esta segunda-feira que o Reino Unido tem a capacidade de revogar de forma unilateral o artigo 50 dos tratados europeus, que iniciou o processo da sua saída da UE, o "Brexit".

Perto de 2.000 identificados nos protestos dos "coletes amarelos" em França

Perto de 2.000 pessoas foram identificadas em França no sábado no âmbito dos protestos dos "coletes amarelos" que levaram às ruas cerca de 136.000 manifestantes, indicou este domingo o Ministério do Interior.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.