Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Marcelo Rebelo de Sousa espantado por Barragem de Fagilde só ter água para 20 dias

Marcelo Rebelo de Sousa espantado por Barragem de Fagilde só ter água para 20 dias
| País
Porto Canal com Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, mostrou-se esta sexta-feira espantado por a reserva de água da Barragem de Fagilde, que serve vários concelhos do distrito de Viseu, só ser suficiente para 20 dias de abastecimento.

"Vinte dias, disse? Vinte dias é o final do mês de novembro, princípio de dezembro", exclamou Marcelo Rebelo de Sousa, em conversa com os presidentes das Câmaras de Viseu e de Mangualde, Almeida Henriques e João Azevedo, respetivamente, durante uma visita à Barragem de Fagilde.

João Azevedo explicou que, para restabelecer os níveis, teria de haver "500 camiões por dia a deitar água dentro da bacia da Barragem de Fagilde".

Questionado pelos jornalistas sobre se tinha noção desta realidade, Marcelo Rebelo de Sousa disse ter-se apercebido dela ao ouvir, "nos últimos dias, as intervenções dos senhores presidentes de Câmara" e "quando ficou patente que afinal a chuva não vinha".

O Chefe de Estado disse que a chuva que caiu "foi insignificante", sublinhando a importância de se confirmarem as previsões de que "daqui a dez dias poderá chover".

Os autarcas contaram a Marcelo Rebelo de Sousa que, como forma de fazer face à seca, chegam diariamente, em camiões cisterna, 500 metros cúbicos de água a Mangualde e 3.300 metros cúbicos a Viseu.

"Tira 'stress' da barragem", explicou João Azevedo.

Almeida Henriques admitiu que o secretário de Estado do Ambiente "tem sido inexcedível" a ajudar a resolver a situação, mas que esta operação está a custar "muito dinheiro" ao cofres da autarquia: 20 mil euros por cada um dos últimos dez dias no caso de Viseu.

"Nós temos uma margem entre os cinco mil euros e os 27 mil euros, com a previsão de termos cerca de 250 mil euros para usar, mas não temos capacidade para aguentar mais do que isto. E o Governo tem que assumir esta responsabilidade", frisou João Azevedo.

Almeida Henriques alertou que, se houver necessidade de "dobrar a operação, a Câmara de Viseu pode estar, daqui a mais uma semana, a gastar 40 a 50 mil euros por dia só para abastecimento de água", o que "não dá para aguentar, apesar da boa situação financeira".

"É muito dinheiro", constatou Marcelo Rebelo de Sousa.

Ao abeirar-se da albufeira da barragem, que está com 10% da sua capacidade total, apesar do escuro, o Presidente da República conseguiu ficou espantado com o que viu.

"Quase inimaginável para novembro", afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou o facto de, na região de Viseu, graças à solidariedade entre autarquias, ter sido possível "por de pé um esquema nos últimos dez dias, mas que envolve, de facto, montantes significativos".

Apesar de o Governo estar "sensível a essa realidade", Marcelo Rebelo de Sousa mostrou-se preocupado por, caso não chova, ela se possa prolongar "por um período considerável".

"O ano seco ficou patente quando se verificou, em setembro e depois em outubro, que não havia a chuva que muitos esperavam. Ninguém pensava que fosse setembro, outubro e estamos a avançar por novembro e tivéssemos a situação que temos", lamentou.

A Barragem de Fagilde abastece 130 mil pessoas dos concelhos de Mangualde, Nelas, Viseu e Penalva do Castelo.

+ notícias: País

Testemunha diz que irmã identificou Pedro Dias como sequestrador

A testemunha Dulce da Conceição disse hoje, em tribunal, que a sua irmã, Lídia da Conceição, identificou Pedro Dias como o homem que a sequestrou numa casa em Moldes, no concelho de Arouca, em 16 de outubro de 2016.

Quase metade das mulheres vítimas de violência nunca contou a ninguém

Quase metade das mulheres que foram vítimas de violência nunca contou a ninguém pelo que os casos relatados são "apenas uma fração da realidade", denunciou hoje o Instituto Europeu para a Igualdade de Género (EIGE).

Portugueses estão a pagar taxa indevida de gás natural

Os contribuintes estão a pagar uma taxa a mais na fatura do gás natural desde o início do ano. O Governo prometeu passar a taxa de ocupação do subsolo para as empresas fornecedoras de energia, mas até agora ainda não legislou sobre a matéria.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS