Info

Assinado protocolo para mudar prova de acesso à especialidade médica

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 nov (Lusa) -- Um protocolo que vai mudar a prova nacional de acesso à especialidade médica, uma alteração reclamada há décadas, foi hoje assinado entre escolas, médicos, estudantes e o Ministério da Saúde.

Em causa está o "exame Harrison", a prova que os médicos têm de realizar para poderem aceder a uma especialidade e que está em vigor há 40 anos, sendo criticado por ser demasiado focado na memorização.

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, sublinhou à agência Lusa a importância do momento que, acredita, "vai mudar a medicina em Portugal".

O protocolo foi assinado por elementos da Ordem dos Médicos, das escolas médicas portuguesas, dos estudantes de medicina e do Ministério da Saúde, representado pelo ministro, o secretário de Estado e Adjunto e a presidente da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS).

"Finalmente chegou-se a um acordo para se mudar a prova de acesso à especialidade", disse o bastonário, recordando que há muito que se reclamava uma prova que contemplasse mais o raciocínio clínico, não obstante a importância da memória.

A partir de 2019 os candidatos a especialistas já vão realizar esta prova e no próximo ano a mesma será aplicada a um grupo piloto.

À partida, a prova passará de 100 para 150 perguntas, mas tendo por base histórias clínicas que porão à prova o raciocínio dos candidatos.

"Vai deixar de ser uma prova de cruzes apenas para a memorização, mas vai ter de incluir uma área de raciocínio em todas as áreas", adiantou Miguel Guimarães.

Caberá agora ao grupo que vai coordenar a prova definir um conjunto de questões práticas, sendo certo que a mesma se baseará num princípio: "A memória é uma peça central de qualquer conhecimento, mas em profissões como a médica, a capacidade de raciocínio clínico é fundamental", explicou.

O novo exame aproxima-se dos modelos internacionais, como o norte-americano, que inclui 300 perguntas.

SMM // HB

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Governo vai analisar projeto ferroviário para o Vale do Sousa

O Governo vai estudar o projeto de construção de uma linha férrea proposta por cinco autarcas. O objetivo da linha do Vale do Sousa, que terá 36 quilómetros, será para ligar Valongo a Felgueiras, passando por Paredes, Paços de Ferreira e Lousada.

Hospitais privados desconhecem parecer da PGR e contestam devolução de 38M à ADSE

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) diz desconhecer o parecer da PGR favorável à devolução de 38 milhões ao sistema de saúde da função pública (ADSE), contestam esta posição e vão convocar com urgência uma Assembleia Geral.

Governo reforça equipa de manutenção do Metro do Porto e CP

A empresa que faz a manutenção do Metro do Porto e da CP contratou mais 110 trabalhadores. O Governo acredita que este investimento vai permitir melhorar o setor que tem passado por sucessivas greves e avarias com consequências para a circulação, como acontece com o Alfa Pendular para Braga.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.