Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Assírio reúne poesia de Cesariny, que encontrou "mil tempos novos para o verbo amar"

| Norte
Porto Canal com Lusa

Redação, 10 nov (Lusa) -- A Assírio & Alvim lançou um volume que reúne a poesia de Mário Cesariny, classificado, na edição com mais de 750 páginas, como um "homem livre e luminoso" que encontrou "mil tempos novos para o verbo amar".

Com edição, prefácio e notas do professor catedrático Perfecto E. Cuadrado, este volume segue a ordem e arrumação "revista e autorizada definitivamente pelo Autor", que inclui "Manual de Prestidigitação", "Primavera Autónoma das Estradas", "Pena Capital", "Nobilíssima Visão", "A Cidade Queimada" e "O Virgem Negra".

"Mário foi, antes de mais, um homem livre e luminoso que cada dia inaugurava o dia na noite da caverna e que soube encontrar mil tempos novos para o verbo amar", escreve Perfecto E. Cuadrado no prefácio.

Nesse mesmo texto, o professor da Universidade das Ilhas Baleares constata que "falar de Mário é falar do Surrealismo, e falar do Surrealismo é falar duma moral, duma ética e duma subsequente política, é falar, em termos bretonianos, dum projeto de coincidente transformação do indivíduo interior e do indivíduo exterior ou social, um projeto que ainda não foi, um projeto que continua a ser, que será sempre".

"Sou um homem/um poeta/uma máquina de passar vidro colorido/um copo uma pedra/uma pedra configurada/um avião que sobe levando-te nos seus braços/que atravessam agora o último glaciar da terra", escreveu Cesariny em "Autografia I", de "Pena Capital", que se segue ao conhecido "You are welcome to Elsinore" e o seu primeiro verso: "Entre nós e as palavras há metal fundente".

Da reunião de poesia de Cesariny ficam de fora textos como "Um Auto para Jerusalém" ou "A Norma de Bellini", "para serem integrados posteriormente num volume de teatro, poemas dramáticos, um guião cinematográfico", da mesma forma que manifestos escritos com Mário-Henrique Leiria e com Cruzeiro Seixas deverão fazer parte de um "volume geral de textos de intervenção individuais e coletivos".

De fora ficaram também "a inclassificável 'Titânia', bem como os picto-poemas não incluídos pelo Autor e os livros-colagem, que passarão a um volume específico", embora, por outro lado, sejam acrescentados aos livros editados uma secção de "outros poemas", que Cesariny retirou das obras.

Nascido a 09 de agosto de 1923, em Lisboa, Mário Cesariny de Vasconcelos estudou música com Fernando Lopes-Graça e fez parte do grupo que lançou o movimento surrealista em Portugal, do qual se tornou uma das mais influentes figuras.

Morreu em Lisboa, no dia 26 de novembro de 2006.

Em "Pastelaria" (de "Nobilíssima visão", publicado em 1959), escreveu: "Afinal o que importa não é a literatura/nem a crítica de arte nem a câmara escura (...) Afinal o que importa é não ter medo: fechar os olhos frente ao precipício/e cair verticalmente no vício".

"Que afinal o que importa é pôr ao alto a gola do peludo/à saída da pastelaria, e lá fora -- ah, lá fora! -- rir de tudo".

TDI // MAG

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Homem de 89 anos abandonado na urgência do hospital de Barcelos

Há um mês e meio que um homem de 89 anos foi abandonado pela família e está a viver na urgência do hospital de Barcelos. O caso foi comunicado ao Ministério Público, que acionou a Segurança Social para que encontre uma vaga num lar para acolher o idoso.

Montalegre celebra a última 'sexta-feira 13' do ano com milhares de pessoas nas ruas

Montalegre esteve em festa com a última sexta 13 do ano. A vila barrosã recebeu milhares de visitantes de todos os pontos do país e de Espanha naquele que é um dos maiores eventos de rua de Portugal.

Alfândega do Porto promove mais uma vez a região dos vinhos verdes

Na Alfândega do Porto já arrancou mais uma edição do Vinho Verde Wine Fest, evento que pretende promover a segunda região de vinhos mais importante no mercado nacional.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.