Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Força Aérea reforça "comando e controlo" mas não participa no combate direto em 2018

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 nov (Lusa) - O secretário de Estado da Defesa Nacional afirmou hoje que a Força Aérea Portuguesa (FAP) não irá participar na operação de combate direto a incêndios em 2018, mas sim na "gestão centralizada" e no comando e controlo das operações.

"Não existe a perspetiva de no ano de 2018 vir a existir operação da FAP no combate direto aos incêndios. A avaliação que se está a fazer é qual ao tipo de operação que a Força Aérea poderá fazer na gestão centralizada e nas operações de comando e controlo", disse.

Marcos Perestrelo acrescentou que essa participação poderá implicar reforço de verbas que "terão de ser avaliadas a tempo de ter tradução orçamental" para 2018.

O secretário de Estado respondia a várias perguntas dos deputados sobre o anunciado reforço do papel das Forças Armadas no combate a incêndios, durante o debate do Orçamento do Estado para o setor da Defesa.

Marcos Perestrelo frisou que existe "um conjunto de helicópteros que são propriedade do Estado e que têm a sua operação contratada com empresas privadas" até "ao final da época de incêndios de 2018".

O reforço da participação das Forças Armadas no dispositivo de combate a incêndios está a ser avaliado "a curto, médio e longo prazo", disse.

Quanto à participação da Força Aérea, o secretário de Estado defendeu que é preciso "ter a consciência de que a capacidade de operação não se monta de um ano para o outro" e que, para 2018, a "capacidade de operação não terá tradução orçamental".

"O eventual reequipamento da Força Aérea para combate aos incêndios é de acordo com a programação que vinha sendo feita e com a capacitação possível no quadro dos meios existentes", disse.

O governo está a avaliar as necessidades de "reforço em termos de recursos e equipamentos" não só para o Regimento de Apoio Militar de Emergência (RAME) mas também para "os regimentos de engenharia" e envolve todos os ramos militares.

O objetivo é que haja "maior capacidade de resposta em apoio à Proteção Civil e no apoio a populações", um trabalho que se espera possa "ser feito a tempo de ter tradução orçamental nos reforços necessários" para 2018.

Sobre esta questão, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, referiu-se aos meios de que a Força Aérea irá dispor, no âmbito da programação que já existia antes das novas orientações para mais participação no combate a incêndios.

A aquisição de aeronaves KC-390, para substituir os C-130, implicará uma despesa de "centenas de milhões de euros" mas as primeiras só estarão operacionais na totalidade em 2021.

O ministro admitiu que está em estudo a possibilidade de os C-130 serem mantidos para serem usados no combate a incêndios.

Quanto aos helicópteros ligeiros, cada um dos cinco cuja aquisição está prevista custará 5 milhões de euros.

SF // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Fernando Negrão foi declarado eleito líder parlamentar do PSD com 39,7% dos votos

O deputado Fernando Negrão conseguiu hoje apenas 39,7% dos votos para a liderança parlamentar do PSD, correspondente a 35 votos favoráveis, 32 brancos e 21 nulos, tendo votado 88 dos 89 parlamentares sociais-democratas.

Bruxelas propõe alteração ao orçamento UE para mobilizar rapidamente ajuda dos incêndios

A Comissão Europeia propôs hoje emendas ao orçamento comunitário para garantir uma rápida mobilização dos apoios financeiros do Fundo de Solidariedade anunciados na semana passada, incluindo 49,1 milhões de euros para Portugal, na sequência dos incêndios de 2017.

Amnistia Internacional condena caso do juíz Neto de Moura

A Amnistia Internacional condena o caso relacionado com o problema da violência doméstica e da própria abordagem da justiça a este fenómeno. Aliás, o documento cita o exemplo do polémico acórdão de um juiz do porto sobre agressões cometidas a mulher chamada de adúltera.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.