Info

Pequim anuncia abertura do setor financeiro a capital estrangeiro

| Economia
Porto Canal com Lusa

Pequim, 10 nov (Lusa) - A China anunciou hoje a abertura a curto prazo de todo o seu setor financeiro a investimento estrangeiro, o que permitirá a empresas externas serem acionistas maioritárias de bancos, seguradoras, ou empresas de gestão de valores e fundos.

A medida, simbolicamente anunciada no último dia da visita de Estado à China do presidente norte-americano, Donald Trump, permite a empresas de outros países adquirirem bancos chineses ou gerirem na totalidade firmas de seguros.

A abertura foi anunciada numa conferência de imprensa que em princípio servia apenas para um balanço da visita de Trump, mas na qual o vice-ministro das Finanças chinês, Zhu Guangyao, explicou pormenores das medidas, que o governo chinês já tinha antecipado no dia anterior à delegação do presidente norte-americano.

No âmbito desta medida, vai ficar abolido o atual limite de propriedade de ações estrangeiras em bancos chineses, que atualmente era de 20% para acionistas individuais ou de 25% para grupos de vários acionistas.

"São compromissos importantes da China, na sua condição de membro importante da Organização Mundial do Comércio, e mostram os esforços do país para impulsionar o comércio livre no mundo", disse o vice-ministro.

EO // CSJ

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Trabalhadores dos supermercados em greve na véspera de Natal

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) lançou um pré-aviso de greve dos funcionários dos supermercados para o dia 24 de dezembro, véspera de Natal.

Vários comboios suprimidos no Natal e Ano Novo devido à baixa procura

Mais de duas dezenas de ligações ferroviárias, entre Intercidades e Alfa-Pendulares, serão suprimidas nos dias 24, 25 e 31 de dezembro e 01 de janeiro de 2019, à semelhança de anos anteriores, devido à fraca procura.

Trabalhadores dos CTT lançam petição para Estado entrar no capital social

Um grupo de trabalhadores dos CTT lançou este domingo uma petição a pedir a participação do Estado no capital social da empresa privada para defesa do Serviço Universal Público e a recolha de assinaturas decorre até 31 de dezembro.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.