Info

Fénix: Pinto da Costa e Antero Henrique absolvidos

| Norte
Porto Canal com Lusa

O Tribunal de Guimarães absolveu hoje o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, e o ex-vice-presidente do mesmo clube Antero Henrique dos crimes que lhe eram imputados na "Operação Fénix".

Pinto da Costa e Antero Henrique estavam pronunciados, respetivamente, por sete e seis crimes de exercício ilícito da atividade de segurança privada.

Em causa, segundo o despacho de pronúncia, estava o facto de terem contratado ou beneficiado de segurança pessoal por parte da SPDE, quando saberiam que a empresa não poderia prestar aquele tipo de serviço.

Nas alegações finais, o procurador do Ministério Público já tinha pedido a absolvição de ambos.

Com 54 arguidos, a "Operação Fénix" está relacionada com a alegada utilização ilegal de seguranças privados, tendo como epicentro a empresa SPDE, também arguida no processo.

Os operacionais da SPDE fariam serviços de segurança pessoal, sem que a empresa dispusesse do alvará necessário para o efeito.

Os arguidos responderam por crimes de associação criminosa, exercício ilícito da atividade de segurança privada, extorsão, coação, ofensa à integridade física qualificada, ofensas à integridade física agravadas pelo resultado morte, tráfico e mediação de armas, posse de arma proibida e favorecimento pessoal.

+ notícias: Norte

Embarcação que naufragou ao largo de Espinho localizada no fundo do mar

A Marinha Portuguesa informou hoje que localizou, no fundo do mar, a embarcação Mestre Silva que naufragou há uma semana ao largo de Esmoriz, no concelho de Espinho.

Hospital de São João da Madeira retoma obras no Serviço de Urgência

O Hospital de São João da Madeira já retomou as obras no Serviço de Urgência após divergências com o empreiteiro inicial e ajustará a nova intervenção à grande procura registada nessa valência, revelou hoje a administração da unidade.

Começou a remoção dos resíduos do Cachão em Mirandela

Os resíduos depositados no Complexo do Cachão, em Mirandela, Trás-os-Montes, começaram hoje a ser removidos depois de cinco anos de polémica e queixas com a perspetiva de a operação ser concluída até ao final do ano.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.