Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Número de casos de Legionella sobe para 41

Número de casos de Legionella sobe para 41
| País
Porto Canal com Lusa

O número de casos confirmados de doença dos legionários do surto no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, subiu para 41, anunciou hoje a Direção-geral da Saúde (DGS).

Numa nota divulgada no seu site, a DGS indica que se mantêm internados em cuidados intensivos cinco doentes infetados com 'legionella'. Relativamente ao boletim divulgado na quarta-feira houve mais três casos registados.

O surto de 'legionella' identificado na sexta-feira no Hospital São Francisco Xavier já provou dois mortos.

A maioria dos casos deste surto ocorreu em mulheres (63%) e mais de 70% dos doentes infetados têm 70 ou mais anos.

Segundo a DGS, o primeiro caso de diagnóstico da doença dos legionários foi confirmado a 31 de outubro. Na passada sexta-feira foram confirmados oito casos, 14 no dia seguinte e quatro no domingo. Na segunda-feira foram confirmados sete casos, na terça-feira três casos, quarta-feira quatro casos e hoje até às 12:30 um outro.

Na terça-feira, o ministro da Saúde disse que a origem do foco de 'legionella' em Lisboa foi o hospital São Francisco Xavier, considerando que as primeiras evidências apontavam logo para uma emissão dentro do perímetro da unidade hospitalar.

+ notícias: País

Ordem dos Médicos averigua acesso indevido a dados de doentes no Hospital do Barreiro

A Ordem dos Médicos vai averiguar a alegada criação de falsos perfis médicos no Centro Hospitalar Barreiro Montijo que permite que profissionais não médicos acedam a processos clínicos.

Incêndio na zona de Badajoz que mobilizou meios portugueses está extinto

O incêndio rural de grandes dimensões que lavrou este sábado na zona de Badajoz (Espanha) e que mobilizou meios portugueses, foi considerado extinto cerca das 15:00, disse à agência Lusa fonte da Proteção Civil.

Professores indicam adesão de 96% à greve e desafiam ministro a convocar negociações

Com 96% dos conselhos de turma travados pela greve às avaliações na primeira semana da paralisação, a Fenprof respondeu esta sexta-feira ao repto do ministro da Educação, reiterando disponibilidade para negociar, "mas só o que tem que ser negociado".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.